Trabalhar com o que ama

Trabalhar com o que ama ou com o que dá dinheiro?

Se, por ventura, em algum momento você sentir que "não cabe mais" na carreira ou profissão escolhida, não hesite em inovar, em se redescobrir.

Aline Salvi*, Administradores.com, 

Trabalhar com o que ama

Habitualmente, a resposta é a própria pergunta. Trabalhe com o que ama, usufruindo de suas vocações e o dinheiro será a consequência. Se você ama sua carreira, já tem metade do que precisa profissionalmente. E considerar: talento, vocação, propósitos e valores; capacitar-se; ter equilíbrio emocional; encontrar oportunidades, estar pronto para assumi-las e as valorizar: mais 50%. É um todo matemático que torna grande a probabilidade de dar certo (alcançar lucros e rentabilidade). Porém sabemos que não é fácil. E ao falarmos de partes, metades e conjuntos, devemos somar, subtrair e pesar certos pontos. Precisamos pensar além do "habitual".

Sonhos e decepções

Desde criança somos condicionados a imaginar "o que queremos ser quando crescer". Os anos passam. Nos descobrimos, somos contagiados por experiências, vivências e contaminados bombardeadamente por responsabilidades. Tão explosivas às vezes, que acabamos adiando, atrasando e até mesmo, perdendo nossos sonhos ao longo do caminho. E ganhando frustrações. É uma ciência exata. Independe se você deixou a faculdade para trabalhar, o outro trabalho para cuidar dos filhos e eles para podê-los dar o melhor. Como diria João Guimarães Rosa, "viver é difícil e perigoso". E assim, os dias se multiplicam, e nem sempre temos carreiras, mas sim empregos, trabalhados que dão trabalho.

A ordem dos fatores

Dentre sonhos e frustrações. O mais comum é nos frustrarmos quando somos "levados" a realizar os sonhos "não realizados" de nossos pais, por exemplo. Quem nunca se deparou com uma situação assim? O mais importante é redescobrir-se, a cada insatisfação, analisar se possui as habilidades necessárias para exercício da profissão que escolheu e ser sincero ao perceber onde realmente você se encaixa, é crucial.

Pese sua vida. Se pergunte se você deixou de fazer ou ser certa coisa para construir outra e se isso valeu a pena. O trabalho vem depois e o dinheiro por último em suas questões. Melhor do que eu ou qualquer outro profissional te direcionar ou responder, é fazer você se questionar. A auto-análise é fundamental no processo de coaching, para o crescimento pessoal, que irá refletir em benefícios na profissão e demais pilares essenciais da nossa vida.

O resultado

Se indague. Na verdade, nem sempre responderemos a nós mesmos, mas pelo menos tomaremos ciência de nossas ações. Não trabalhar com o que ama, mas ter conquistado outras dádivas como a casa própria, matrimônio ou uma família pode ser convertido em uma espécie de "trabalho" que você deve amar. Se esforçar e estudar uma profissão que você ama e exercê-la, tem tudo pra dar certo. Mas se por circunstâncias, não der: redescubra-se e reinvente-se. Mais importante do que amar o que faz, é amar o que se conquista.

Se, por ventura, em algum momento você sentir que "não cabe mais" na carreira ou profissão escolhida, não hesite em inovar, em se redescobrir. Afinal, o ser humano evolui diariamente com as suas experiências e superações. As mudanças acontecem o tempo todo no mundo inteiro e nós não devemos nos manter imutável! Devemos, como cidadãos, acompanhar a globalização, sempre a favor do nosso crescimento. Consequentemente, isso refletirá em todas as áreas de nossa vida.

Leia também: 17 coisas que não te contaram sobre fazer o que ama

*Aline Salvi — 37 anos, é Master Coach, formada em Direito, pós-graduada em Comunicação com o Mercado, Especialista em Programação Neuro Linguística (PNL), é Analista Comportamental, tem 37 anos, é casada e mãe.

Estas empresas são as mais desejadas pelos estudantes de TI no Brasil

Google é a empresa que está no topo do ranking da Universum, que contou com a participação de mais 2 mil estudantes de TI no Brasil

Estudantes de TI

Tecnologia da informação: estudantes miram Google como empregador ideal (Foto/Thinkstock)

O sonho de trabalhar no Google é partilhado por mais de 60% dos 2.069 estudantes de cursos na área de tecnologia da informação no Brasil consultados pela Universum. A pesquisa está publicada no site da consultoria.

A gigante de tecnologia também é a empregadora mais citada pelos estudantes de administração de empresas e a segunda preferida pelos universitários da área de engenharia, conforme rankings publicados com exclusividade pelo Site Exame nesta semana.

Para além dos mimos oferecidos aos funcionários – como, por exemplo, geladeira aberta, sala de jogos e área de lazer no escritório – Daniel Borges, gerente de atração de talentos para a América Latina do Google, atribui a enorme atratividade da empresa às ações geradas a partir das demandas que surgem da própria equipe, durante pesquisas de clima organizacional.

Veja também: Ganhe Bitcoins enquanto usa o Google Chrome ou Firefox

Em entrevista ao Site Exame, por email, o executivo citou algumas das iniciativas tomadas com base nos resultados das consultas aos funcionários: aprimoramento de gestores, do ambiente de trabalho, de processos, de iniciativas de bem-estar e desenvolvimento de carreira .

A Universum também investigou quais são as indústrias que mais atraem os jovens da área de TI, quando o assunto é trabalho. Setores se software, hardware e os bancos são os três setores preferidos. Confira a tabela:

Indústria Percentual de estudantes que escolheram
Software,serviços informática e multimídia 80,6
Tecnologia de hardware e equipamento 29,1
Bancos 17,5
Aeroespacial e defesa 15,4
Telecomunicações e redes 12,2
Consultoria de gestão de estratégia 7,2
Setor público e de agências governamentais 7,2
Mídia e publicidade 4,3
Engenharia industrial e manufatura 3,8
Serviços financeiros 3,8
Logística (inclui setor naval) 3,7
Automotiva 2,7
Energia 2,1
Contabilidade e auditoria 1,4
Construção civil e engenharia 0,3

André Siqueira, VP de Américas e head da América Latina da Universum, destaca o crescimento da atratividade de bancos como o Itaú e o Santander para os estudantes de TI. “Em 2015, o Itaú era a 20ª empresa da lista de empregadores mais atrativos. Neste ano está em 15º. O Santander era 38º em 2015 e hoje é o 23º empregador mais citado pelos estudantes de TI.

Na área financeira, um dos destaques dos rankings deste ano é o Nubank que passou entrou para o top 10: de 13º em 2017 passou para o 8º lugar. Mais 15% dos estudantes de TI citaram a fintech como empregadora ideal.

Confira a lista completa com as 50 empresas dos sonhos:

Empregador Percentual de estudantes que escolheram a empresa Ranking 2018 Percentual de estudantes que escolheram a empresa Ranking 2017
Google 63,85% 1 61,46% 1
Microsoft 47,77% 2 50,07% 2
Facebook 30,08% 3 28,30% 4
Apple 29,46% 4 33,79% 3
Netflix 26,69% 5 22,00% 7
IBM 25,74% 6 26,71% 5
Intel 22,71% 7 22,43% 6
Nubank 15,04% 8 8,32% 13
Dell 14,92% 9 16,11% 8
Oracle 12,81% 10 15,96% 9
Samsung 12,81% 11 13,83% 10
Sony 12,37% 12 13,08% 11
Governo Federal 10,77% 13 10,29% 12
TOTVS 7,69% 14 7,69% 14
Itaú Unibanco 7,10% 15 5,27% 17
Banco do Brasil 5,59% 16 7,21% 15
Cisco Systems 5,23% 17 5,64% 16
Lenovo 4,99% 18 4,22% 20
Uber 4,88% 19 2,71% 24
Banco Bradesco 4,11% 20 3,86% 22
Petrobras 3,75% 21 4,28% 19
Rede Globo 3,62% 22 3,96% 21
Santander 3,07% 23 2,57% 25
Embraer 2,78% 24 1,86% 30
LATAM Airlines 2,39% 25 1,45% 34
Accenture 2,21% 26 1,60% 31
Honda 2,16% 27 1,43% 35
Nike 2,07% 28 2,07% 29
The Coca-Cola Company 1,81% 29 2,36% 27
Ambev 1,72% 30 2,37% 26
Nestlé 1,70% 31 1,40% 36
Bosch 1,55% 32 1,23% 41
BMW Group 1,52% 33 2,95% 23
Toyota 1,49% 34 1,57% 32
Banco Safra 1,43% 35 1,26% 38
Cielo 1,41% 36 0,86% 50
PepsiCo 1,41% 37 0,83% 53
HEINEKEN 1,40% 38 1,49% 33
Hewlett Packard Enterprise 1,37% 39 2,10% 28
Siemens 1,36% 40 1,16% 45
General Motors 1,18% 41 1,18% 42
Bayer 1,15% 42 0,66% 62
GOL Linhas Aéreas 1,15% 43 0,98% 49
Red Bull 1,12% 44 1,00% 48
Vale 1,02% 45 1,17% 44
Volvo Group 1,00% 46 0,50% 67
Bank of America (BofAML) 0,95% 47 0,71% 59
Walmart 0,92% 48 1,25% 39
adidas 0,90% 49 0,73% 58
J.P. Morgan 0,84% 50 0,39% 78

Fonte: EXAME.com

Matemática na Engenharia

Tenho dificuldade em matemática. Posso cursar engenharia?

Orientador profissional dá dicas para lidar com as dúvidas

Por Respondido pelos orientadores do Nace - Orientação Vocacional

Matemática na Engenharia

(JordiDelgado/iStock)

Olá! Tenho vontade de cursar engenharia de petróleo e gás, mas tenho medo de não ser para mim e me arrepender. Já li muito sobre a faculdade e me interessei, mas o que me deixa aflito é que na escola eu nunca fui muito bom em matemática, embora esteja disposto a aprender. O que eu devo fazer? - Anônimo

Olá!

Os cursos de engenharia exigem o desenvolvimento de conhecimentos complexos em cálculo. Durante os dois primeiros anos estuda-se conteúdos ligados a cálculo diferencial e integral, geometria analítica e descritiva, cálculo vetorial, estatística e probabilidades, física avançada amplamente apoiada em cálculos complexos.

Parte dos alunos que desistem da opção por engenharia o fazem pelas dificuldades nestes conteúdos.

Entretanto, isso não é totalmente impeditivo. Dedicação intensa aos estudos, apoio por meio de grupos de estudos entre alunos e busca de cursos paralelos podem ajudar a superar as dificuldades.

Leia também: A Matemática dos Bitcoins

Considere que isso pode envolver muito tempo, alteração de rotinas de vida e recursos financeiros eventualmente. É necessário avaliar, portanto, qual a medida de sua motivação para superar tais obstáculos.

Para melhor avaliar a dimensão de seu desafio, visite faculdades e entreviste alunos e professores de engenharia. Pesquise as grades curriculares das universidades que oferecem a opção que deseja.

Fonte: Guia do Estudante

Publicidade: Se você ainda não tem este aplicativo gratuito instalado no seu navegador (Chrome ou Firefox), você está perdendo dinheiro. Saiba mais:

Cryptotab

A Matemática dos Bitcoins

Os bitcoins estão disponíveis em uma rede — a primeira de pagamentos, descentralizada, de ponto a ponto — em que quem usa é quem gerencia o sistema.

Se não há intermediador nem uma autoridade central, quem os controla e como eles são criados?

Como Ganhar Bitcoins?

A forma de dinheiro que controla sua criação e transações por meio de criptografia foi publicada em 2009 por um desconhecido chamado Satoshi Nakamoto. Além de seu nome, não se sabe muito sobre o inventor do bitcoin. Ele deixou o projeto no final de 2010, embora ele tenha criado um sistema sem igual para o mundo.

MINERAÇÃO: COMO OS BITCOINS SÃO CRIADOS

A BTC não é uma moeda a ser impressa como o Real ou o Dólar, ela é minerada. A mineração se define como o processo que envolve adicionar registros de transação — blocos — ao Blockchain, livro razão público de bitcoins. Essa cadeia de bloco tem (e terá) registrada cada transação realizada que utiliza a criptomoeda. Essa informação pode ser acessada por qualquer pessoa, de forma pública.

Veja também: Ganhe Bitcoins enquanto usa o Google Chrome

Os mineradores formam os blocos ao agruparem transações que ficam propagadas na rede e, assim que finalizam, calculam um número que representa a informação, chamado de hash. Ele é gerado a partir de uma fórmula matemática complexa preestabelecida.

Vejamos o CPF como comparativo: o sistema do governo calcula, geralmente entre 11 e 15 números, um representativo para um indivíduo. A rede Bitcoin utiliza 64 dígitos e, entre eles, existem números de 0 a 9 e letras de A a F, tornando hash uma sequência hexadecimal. Então basta calcular o hash e podemos inserir dados na Blockchain? Não!

Embora seja facilmente criado, ainda existe o protocolo BitCoin que torna a inserção na corrente bem difícil, utilizando a “prova de trabalho”. O próximo passo é encontrar o “nonce”, mais um pedacinho de código. Calculam-se repetidos hashs, dentro do bloco, alterando somente essa parte até encontrar o verdadeiro nonce. Somente agora poderíamos dizer que o bloco foi calculado e integrado à cadeia. É por meio de tudo isso que são criados os bitcoins!

O SISTEMA PROVÉM RECOMPENSA E CONTROLE

Satoshi criou o sistema da Rede BitCoin pensando muito à frente. O código é programado para fornecer um montante aos mineradores que inserirem blocos à corrente a cada 10 minutos, fazer um “corte” no valor provido a cada 4 anos, ou quando encontrado o bloco de número múltiplo a 210 mil, e não ultrapassar o valor total circulante de 21 milhões de BTC.

Em 2009, quando lançado, aqueles que mineravam os blocos recebiam 50 bitcoins por bloco inserido. Passados alguns anos, em 2012, ocorreu o primeiro halving, passando a recompensa para 25 e, no ano de 2016, para 12,5 bitcoins.

O halving é um mecanismo desenhado para controlar a criação e a inflação da moeda, e, como o nome diz, divide na metade o montante. Em 2016, antes da data do terceiro corte, o prêmio de 25 bitcoins equivalia a algo em torno de 16 mil dólares!

E, já que não há tantos milionários assim no mundo, podemos concluir que todos os prêmios distribuídos foram compartilhados proporcionalmente à prova de trabalho. Um minerador pode ter ganhado 0,0001 bitcoin como recompensa.

A SEGURANÇA DAS BITCOINS

A rede é gigantesca e possui milhares de mineradores espalhados pelo mundo. Você viu o quanto é complicada a mineração e ainda existem alguns fatores que colaboram mais à segurança dos bitcoins, como o fato de que, para que não haja criação de blocos falsos na Blockchain, os mineradores devem mencionar o hash do bloco anterior.

Mesmo se quiserem tirar proveito e montarem um super computador — o protocolo sempre medirá 10 minutos do tempo, não importa a potência da(s) máquina(s) — para minerar mais do que o resto do mundo, seriam necessários 40 mil unidades do melhor computador do mundo de 2015, o Thiane-2, para alcançar metade da recompensa total de um bloco!

Hoje, uma das formas mais fáceis, confiáveis, e (o melhor) gratuita de minerar bitcoins é com a instalação de uma extensão do navegador Google Chrome chamado CryptoTab, que minera bitcoins quanto seu usuário navega normalmente pela internet.

Para instalar o CryptoTab no seu navegador basta clicar aqui.

Fonte: blog.foxbit.com.br | by Guto Schiavon

Estes alimentos podem ajudar nas lembranças dos sonhos

Banana, espinafre e castanhas são alguns dos alimentos que tornam os sonhos memoráveis

Alimentos para a memória

(JulijaDmitrijeva/Thinkstock)

A sensação de sonhar e não lembrar de nada é absolutamente normal. Isso porque, os sonhos normalmente acontecem no momento mais profundo do sono e nem sempre é possível criar memórias sobre eles. Uma pesquisa inédita apontou, no entanto, que o consumo de alguns alimentos ricos em vitamina B6 antes de dormir pode melhorar a vivacidade e as lembranças dos sonhos.

Conduzido por pesquisadores da University of Adelaide, na Austrália, o estudo analisou durante cinco dias seguidos o sono e as percepções dos sonhos de 100 voluntários. Divididos em dois grupos, alguns participantes tomaram antes de dormir um suplemento com alta dose de vitamina B6. O outro grupo ingeriu um placebo.

As pessoas que tomaram o suplemento conseguiram não só lembrar dos sonhos, mas dar detalhes surpreendentes sobre eles. Por outro lado, o grupo relatou que o sono foi mais superficial, ou seja, de menor qualidade e que também sentiu um cansaço recorrente durante todo o dia.

Veja também: Conheça os melhores Métodos para conservar os diferentes tipos de alimentos.

Para Denholm Aspy, pesquisador da Escola de Psicologia da University of Adelaide, esse tipo de análise é importante, pois determina como alguns nutrientes podem impactar positivamente ou não na qualidade do sono e nas memórias dos sonhos das pessoas.

Por fim, a pesquisa da universidade australiana concluiu que se as pessoas querem ter memórias de seus sonhos, elas devem ingerir alimentos ricos em vitamina B6. Agora, se os sonhos atrapalham o sono, esses mesmos alimentos devem ser evitados principalmente antes de dormir.

Benefícios

A vitamina B6, conhecida também como piridoxina, tem papel importante para o equilíbrio metabólico, para o sistema nervoso e até a pele. Ela ajuda, por exemplo, na prevenção de doenças cardíacas e no controle das taxas de colesterol.Banana, espinafre, castanhas, camarão, determinadas espécies de peixe, como truta, salmão e o atum, abacate, inhame, tomate, ameixa, fígado de boi, melancia, frango e ervilha são alguns dos alimentos com alta concentração de vitamina B6.

Fonte: Exame.com