Essa é provavelmente a Melhor Estratégia para Ganhar Bitcoins!

Essa certamente é a melhor estratégia que você vai ver durante sua jornada no site!

Estratégia Freebitcoin

Bom, vamos lá, primeiramente você precisa ter uma conta no site, entre nesse link:

Depois de ter sua conta, você ira receber seu primeiro Faucet no site, eles iram dar em média de 50 a 100 satoshis por hora.

"Ah mas se for pra pegar 50 satoshis eu prefiro ir catar latinhas blablabla"

CALMA!

Você só vai precisar juntar mais ou menos uns 10.000 satoshis com faucet para começar a Estratégia!

Bom suponho que você já tenha esses 10.000 satoshis (NÃO PRECISA SER EXATOS), vamos começar a Estratégia:
1- Primeiro vá na aba "Multiply BTC"
2- Se estiver no modo "Auto Bet" Selecione o "Manual Bet" e deixe do jeito que está.
3- Agora começa apostar 1 Satoshi até perder 5 vezes consecutivas (Seguidas)
4- Após perder 5 vezes seguidas Aposte um valor mais alto (não exagere, vai entender o motivo na parte 5)
5- Caso você perca pela 6 vez, dobre o valor que você apostou na primeira tentativa, Exemplo: Apostei 32 e perdi, vou dobrar para 64.

Essa é a Estratégia, o site é muito ladrão pode perder até 10 vezes seguidas, com essa estratégia você não perde todo seu dinheiro e ao mesmo tempo sobe MUITO!

Aproveitem a estratégia, sabendo usar sem ganância e pressa, vai lhe render mais que um salario minimo por mês!

Caso não tenha entendido chame no Skype: live:cavehackig

6 livros que todo profissional de RH deve ler

A leitura é essencial para quem quer expandir os conhecimentos e enfrentar os desafios do setor.

Por Mariana Dias, Administradores.com, 12 de setembro de 2018, às 14h58

Livros de RH

Estar antenado e se atualizar em sua área é imprescindível para o profissional que deseja se destacar no mercado. A necessidade de reciclagem está ainda mais latente no campo de Recursos Humanos que, hoje, passa por um processo de transformação, no qual novas tecnologias, processos e estratégias estão inundando a vida dos RHs de forma cada vez mais presente.

Pensando nisso, listo, abaixo, seis livros sobre gestão de pessoas, comportamento humano e negócios para gerar inspiração e impacto no dia-a-dia dos profissionais que atuam e desejam se especializar na área. Confira:

Gestão de Pessoas

The Power of People (Jonathan Ferrar, Sheri Feinzig, Nigel Guenole)

Se você quer começar a usar dados para melhorar os resultados dos recursos humanos da sua empresa, este é um dos principais livros de RH que você precisa ler. Nesta obra, os três grandes especialistas em análise da força de trabalho trazem estudos de caso que vivenciaram e tudo o que aprenderam em anos de trabalho com People Analytics. Você aprenderá por onde começar, como gerar resultado rapidamente, quais são as melhores práticas e como gerar ainda mais valor, trazendo uma mentalidade analítica para todo o RH. The Power of People é inestimável para os executivos de Recursos Humanos que estabelecem ou lideram funções analíticas.

Scrum: A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo (Jeff Sutherland)

Você acredita que o seu trabalho e o dos seus colaboradores não são tão produtivos como poderiam ser? Então leia este livro. Scrum é um método prático e incrível que surgiu no meio de tecnologia, mas que pode muito bem ser transposto para qualquer área de uma empresa. Desde o advento do método, já foram registrados ganhos de produtividade de até 1.200%. Aprenda a organizar melhor seus projetos e equipes, e, a melhorar a produtividade dos projetos da sua companhia, tudo o que precisa para levar a metodologia ágil das startups para a sua área de RH.

Comportamento Humano

Criatividade S/A (Ed Catmull)

Sabe qual é a fórmula de sucesso por trás de filmes que adoramos como Toy Story ou Procurando Nemo? O autor desse livro nos mostra isso, através da trajetória da Pixar, empresa que ele fundou junto com Steve Jobs. Ele conta com detalhes como se pode construir uma cultura de criatividade num ambiente corporativo, que nem sempre dá abertura a isso, e, como essa cultura pode ajudar uma empresa a se tornar bem sucedida.

Reinvente sua Empresa (David Heinemeier Hansson)

Já pensou que fazer menos coisas pode impulsionar um crescimento maior para sua empresa? Parece estranho, não é? Mas é isso que os autores deste livro mostram com suas experiências em negócios bem sucedidos. Eles criticam várias ideias tradicionais, criticam os workaholics e pregam a ideia de que você deve produzir poucas coisas muito boas, ao invés de muitas coisas razoáveis.

Negócios

Empresas Feitas para Vencer (James C. Collins)

Nesta obra incrível, Jim Collins se propõe a responder quais são os fatores que fazem empresas boas, medíocres e até as ruins se transformarem em empresas que têm um sucesso duradouro. A partir de uma pesquisa extensa ele nos traz exemplos, muitas vezes contra intuitivos, que podem ser aplicados na cultura de uma companhia desde sua criação para que ela possa atingir a excelência.

A Startup Enxuta (Eric Ries)

Aposto que se você não trabalha em uma startup deve estar pensando que pode pular esta obra, afinal os ensinamentos aqui não valeriam para empresas grandes e bem estabelecidas, não é? Mas é aí que você se engana. "A Startup Enxuta" mostra uma nova forma de abordar problemas e projetos, que pode ser aplicada tanto em empresas de garagem como por profissionais inovadores em empresas grandes, e que traz muito mais agilidade e menos desperdício de esforço.

Com estas dicas tenho certeza que vocêenf, assim como estará mais preparado para enfrentar os desafios do setor e conseguirá absorver os benefícios que a inovação e a tecnologia podem trazer à sua rotina de trabalho.

Veja também: Inovação em Endomarketing [Ebook Gratuito]

Mariana Dias — Formada em Administração pela USP e tem especialização em Empreendedorismo e Inovação pela Universidade de Stanford. Começou sua carreira como trainee da Ambev, onde trabalhou por quatro anos e ocupou o cargo de Business Partner para a América Latina. É CEO e cofundadora da Gupy, líder de recrutamento com base em Inteligência Artificial e machine learning no Brasil, que conta com clientes como Ambev, Embraer e Quinto Andar.

Passo a passo para escolher a profissão

Passo a passo para escolher a profissão

Confira um roteiro com 13 etapas para você se sentir pronto para essa grande decisão

Por Lisandra Matias | 4 maio 2018, 15h42 – Publicado em 4 maio 2018, 15h15

Passo a passo para escolher a profissão

(imagem: istock) (iStock/iStock)

Está chegando o grande momento! Você, provavelmente, está no final do Ensino Médio ou no cursinho e, depois de pensar muito, terá que tomar a primeira grande decisão da sua vida: “que curso vou fazer”? O primeiro semestre do ano é a época ideal para você começar a refletir sobre isso. Assim, você terá tempo para pesquisar, tirar suas dúvidas e se preparar para essa importante escolha. Confira um roteiro, com 13 passos, que vai te ajudar a encontrar sua opção de forma mais consciente e tranquila.

1) Descubra quem é você

Só se conhecendo bem você consegue identificar suas preferências. Conhecer-se é fundamental para você conseguir se projetar numa carreira. Lembre-se que o trabalho costuma ocupar grande parte do dia e define um estilo de vida. Por isso, é importante que você se identifique com os temas, as pessoas e os ambientes que farão parte do seu cotidiano. Para esse exercício de autoconhecimento, considere suas características pessoaisinteresse e valores, refletindo sobre questões como:

– você é introvertido ou extrovertido? Agitado ou mais tranquilo?

– tem facilidade em se relacionar com muitas pessoas, ou se sente mais confortável em pequenos grupos ou sozinho?

– prefere atividade em ambientes fechados ou ao ar livre, em contato com a natureza?

– tem espírito aventureiro, aberto a novas experiências e desafios, ou prefere uma rotina mais definida?

– que assuntos que mais o atraem? Sobre quais temas você gosta mais de se informar?

– quais seus hobbies?  O que gosta de fazer no tempo livre?

– quais são suas principais habilidades, qualidades e pontos fortes?

– e os seus pontos fracos?

– em que tipo de situação ou atividade se sente bem? Em quais se sente desconfortável?

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: ao fazer testes de orientação profissional, você terá que refletir sobre seu jeito de ser e preferências. Veja esses testes:

2) Reveja o passado

Conhecer-se também é rever o passado e identificar as influências recebidas ao longo da vida, já que o ambiente em que nascemos e crescemos determina os nossos valores. Não é raro, por exemplo, alguém pensar em ser advogado porque essa é a profissão tradicional na família. Ou psicólogo, porque tem um temperamento conciliador e compreensivo. Essas opções não devem ser descartadas, mas precisam ser confrontadas com o seu perfil e um conhecimento mais aprofundado de cada área de atuação. Também é preciso ter coragem para quebrar a corrente de modelos que você seguiu até agora, conquistar autonomia com relação a seus pais e amigos.

3) Considere sua vida escolar até então

Como foi sua vida escolar até então? Analise seu desempenho, lembre-se das disciplinas em que tinha mais facilidade ou dificuldade e considere até o seu comportamento e perfil de estudante (ser era líder, mais ou menos extrovertido etc). Porém, cuidado: não é porque gosta de História que terá que escolher esse curso. Mas é uma informação a mais que não pode ser ignorada.

4) Projete-se para o futuro

Os orientadores profissionais são unânimes em dizer que é fundamental que a sua escolha profissional esteja atrelada ao seu projeto de vida, ou seja, ao que você vislumbra para o seu futuro. Pergunte-se como você imagina estar daqui a dez anos: Que estilo de vida gostaria de ter? Com que perfil de pessoas gostaria de conviver? E, finalmente, o que você deseja conquistar com a sua profissão?

5) Pense nas suas prioridades

Ao fazer o passo 4, alguns valores que são muito importantes para a escolha vão ficando mais claros. Para algumas pessoas, a importância dada para a realização pessoal fica muito mais evidente do que a situação financeira. Para outros, a remuneração fala mais alto. É importante você perceber o que é fundamental para você.

6) Informe-se muito

Existem mais de 250 profissões estabelecidas no mercado. E, em cada uma delas, há muitas áreas de atuação. Tente conhecer o maior número possível de cursos e profissões. O seu futuro pode estar numa área que você nem sabia que exista!

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: Veja a lista de cursos. Ela está dividida em 8 áreas de conhecimento. De cada opção, você encontra informações sobre a profissão, as áreas de atuação, o mercado de trabalho e o curso.

DICA: Pense em fazer um rodízio de leitura com os amigos para dar conta de conhecer mais áreas e cursos. Cada um lê uma área e depois compartilha com o grupo.

7) Veja vídeos de profissionais

Confira também se o curso que você tem interesse possui vídeo no canal Na real, que traz a rotina de diferentes profissionais. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.

8) Faça uma seleção

Depois de se informar sobre os cursos e profissões (passo 6) e assistir aos vídeos que mais lhe interessaram (passo 7), tente fazer uma lista com os cursos “finalistas”. A ideia é combinar seu exercício de autoconhecimento com as características de cada profissão.

9) Pesquise na internet

Ao conseguir chegar em uma lista menor de possiblidades, é hora de arregaçar as mangas e descobrir se aquilo que você imagina sobre o curso condiz com a realidade. Então que tal entrar em sites de faculdades que oferecem os cursos que você mais gostou para checar informações como a grade curricular? Assim, você terá uma boa ideia do que vai encontrar durante o curso e poderá avaliar seu interesse nesses temas.

10)Visite faculdades

Se você quiser ir ainda mais fundo na sua pesquisa, o passo seguinte é visitar uma faculdade e conferir de perto como são as aulas e a rotina de estudos do curso que você tem em mente. Vá até o local, sinta o clima e troque ideias com alunos e professores. Pergunte quais são os pontos fortes e fracos do curso. Vale fazer uma listinha com tudo o que deseja saber. O importante é não ficar com dúvidas. Veja exemplos de perguntas:

  • Para os alunos: quais os aspectos do curso você mais gosta? E quais menos gosta?
  • Além das aulas, que outras atividades são oferecidas aos alunos?
  • Quais as principais áreas de atuação do profissional formado?

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: Digite o nome do curso na busca (na barra superior, à direita). À esquerda, aparecerá o quadro “Filtrar por”. Clique em “graduação” e selecione os filtros de seu interesse (por localização/estado e, em seguida, por nome da universidade, por exemplo).

 11) Fale com profissionais

Agora que você já tem uma (ou algumas) opções em vista, que tal submetê-las a uma “prova de fogo”? Para reafirmar sua escolha (ou mudá-la enquanto é tempo) um bate-papo com profissionais da área é um tira-teima poderoso. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.

Procure, por meio de seus amigos e parentes, alguém que trabalha na área de seu interesse. Agende um encontro, de preferência no local de trabalho da pessoa. Observe o ambiente e o modo como as pessoas desempenham suas atividades. O clima é mais formal ou informal? Os horários são fixos ou maleáveis? Coisas assim simples fazem a diferença no dia a dia.

Não se esqueça de questionar como é a rotina daquele profissional. Exemplos de perguntas que você pode fazer:

  • Quais são as principais atividades que fazem parte da sua rotina?
  • Quais os pontos fortes e fracos dessa profissão?
  • Que características são importantes para atuar nessa área?

12) Considere o mercado de trabalho

Um outro componente importante é saber a quantas anda o mercado de trabalho da profissão de seu interesse. Quais as perspectivas de remuneração ao longo da carreira? É claro que, até você se formar, a oferta e a procura de profissionais de uma área deverá se alterar consideravelmente. Mas, se conseguir enxergar as tendências do mundo e do Brasil, ficará mais fácil perceber as carreiras que provavelmente terão boas perspectivas quando você tiver o canudo em mãos. Por exemplo, você deve saber que o mundo e o Brasil estão envelhecendo – é cada vez maior a proporção de pessoas com mais de 60 anos sobre a população total. Ao mesmo tempo, as pessoas vivem cada vez mais tempo. Isso já é uma bússola que indica que carreiras voltadas ao público da terceira idade, como geriatria e fisioterapia, tendem a se valorizar.

13) Frequente feiras de profissões

Uma boa pedida para ter as várias informações de que precisa – sobre cursos, dia a dia do profissional e mercado de trabalho – reunidas num só local é visitar feiras de profissões. Várias universidades realizam esse tipo de evento. O GUIA DO ESTUDANTE também tem a sua feira, desde 2006. Durante três dias e em um só espaço, é possível entrar em contato com as instituições de ensino superior expositoras, assistir palestras com profissionais e personalidades sobre suas trajetórias e experiências, realizar testes vocacionais e simulados e participar de gincanas e games. Em 2018, ela vai acontecer de 13 a 15 de setembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo (SP). Veja aqui o que rolou na Feira do Guia do Estudante em 2017.

Fonte: Guia do Estudante

licença paternidade

Quantos dias o pai pode ficar sem trabalhar após o nascimento do filho?

Advogado Marcelo Mascaro explica quais os direitos dos homens em relação ao período de licença-paternidade

licença paternidade

Pai e bebê: 5 dias de folga por nascimento de filho são garantidos pela Constituição (Halfpoint/Thinkstock)

A licença-paternidade é um direito garantido na Constituição Federal e será de cinco dias. Caracteriza-se pela autorização dada ao pai para se ausentar do trabalho em razão do nascimento do filho, sem que haja desconto em sua remuneração.

Já em 2016, a Lei 13.257 instituiu o “Programa Empresa Cidadã”. As empresas que aderem ao programa concedem a seus empregados uma prorrogação de 15 dias de licença paternidade, totalizando, assim, 20 dias de afastamento. Em contrapartida, podem deduzir do imposto de seu lucro real o valor referente à remuneração paga na prorrogação.

Para que essa prorrogação possa ser realizada, porém, é necessário que o empregado comprove participação em programa ou atividade de orientação sobre paternidade responsável. Além disso, nesse período não poderá exercer nenhuma atividade remunerada e a criança deverá ser mantida sob seus cuidados.

É possível, ainda, que o prazo de cinco dias de licença seja ampliado por acordo ou convenção coletiva. Observamos que esses instrumentos negociados pelos sindicatos podem ampliar o período de licença, mas jamais diminuí-los.

Assim, em princípio, a licença paternidade é de cinco dias, podendo ser prorrogada por mais 15, caso haja adesão ao Programa Empresa Cidadã. Além disso, também pode ser prorrogada por negociação sindical.

Por último, lembramos que essas hipóteses se dirigem aos trabalhadores da iniciativa privada. No setor público, as regras aplicáveis dependem da esfera do poder público à qual o servidor está vinculado. No caso dos servidores federais, por exemplo, a lei prevê a licença paternidade de 20 dias.

Fonte: EXAME.com