6 livros que todo profissional de RH deve ler

A leitura é essencial para quem quer expandir os conhecimentos e enfrentar os desafios do setor.

Por Mariana Dias, Administradores.com, 12 de setembro de 2018, às 14h58

Livros de RH

Estar antenado e se atualizar em sua área é imprescindível para o profissional que deseja se destacar no mercado. A necessidade de reciclagem está ainda mais latente no campo de Recursos Humanos que, hoje, passa por um processo de transformação, no qual novas tecnologias, processos e estratégias estão inundando a vida dos RHs de forma cada vez mais presente.

Pensando nisso, listo, abaixo, seis livros sobre gestão de pessoas, comportamento humano e negócios para gerar inspiração e impacto no dia-a-dia dos profissionais que atuam e desejam se especializar na área. Confira:

Gestão de Pessoas

The Power of People (Jonathan Ferrar, Sheri Feinzig, Nigel Guenole)

Se você quer começar a usar dados para melhorar os resultados dos recursos humanos da sua empresa, este é um dos principais livros de RH que você precisa ler. Nesta obra, os três grandes especialistas em análise da força de trabalho trazem estudos de caso que vivenciaram e tudo o que aprenderam em anos de trabalho com People Analytics. Você aprenderá por onde começar, como gerar resultado rapidamente, quais são as melhores práticas e como gerar ainda mais valor, trazendo uma mentalidade analítica para todo o RH. The Power of People é inestimável para os executivos de Recursos Humanos que estabelecem ou lideram funções analíticas.

Scrum: A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo (Jeff Sutherland)

Você acredita que o seu trabalho e o dos seus colaboradores não são tão produtivos como poderiam ser? Então leia este livro. Scrum é um método prático e incrível que surgiu no meio de tecnologia, mas que pode muito bem ser transposto para qualquer área de uma empresa. Desde o advento do método, já foram registrados ganhos de produtividade de até 1.200%. Aprenda a organizar melhor seus projetos e equipes, e, a melhorar a produtividade dos projetos da sua companhia, tudo o que precisa para levar a metodologia ágil das startups para a sua área de RH.

Comportamento Humano

Criatividade S/A (Ed Catmull)

Sabe qual é a fórmula de sucesso por trás de filmes que adoramos como Toy Story ou Procurando Nemo? O autor desse livro nos mostra isso, através da trajetória da Pixar, empresa que ele fundou junto com Steve Jobs. Ele conta com detalhes como se pode construir uma cultura de criatividade num ambiente corporativo, que nem sempre dá abertura a isso, e, como essa cultura pode ajudar uma empresa a se tornar bem sucedida.

Reinvente sua Empresa (David Heinemeier Hansson)

Já pensou que fazer menos coisas pode impulsionar um crescimento maior para sua empresa? Parece estranho, não é? Mas é isso que os autores deste livro mostram com suas experiências em negócios bem sucedidos. Eles criticam várias ideias tradicionais, criticam os workaholics e pregam a ideia de que você deve produzir poucas coisas muito boas, ao invés de muitas coisas razoáveis.

Negócios

Empresas Feitas para Vencer (James C. Collins)

Nesta obra incrível, Jim Collins se propõe a responder quais são os fatores que fazem empresas boas, medíocres e até as ruins se transformarem em empresas que têm um sucesso duradouro. A partir de uma pesquisa extensa ele nos traz exemplos, muitas vezes contra intuitivos, que podem ser aplicados na cultura de uma companhia desde sua criação para que ela possa atingir a excelência.

A Startup Enxuta (Eric Ries)

Aposto que se você não trabalha em uma startup deve estar pensando que pode pular esta obra, afinal os ensinamentos aqui não valeriam para empresas grandes e bem estabelecidas, não é? Mas é aí que você se engana. "A Startup Enxuta" mostra uma nova forma de abordar problemas e projetos, que pode ser aplicada tanto em empresas de garagem como por profissionais inovadores em empresas grandes, e que traz muito mais agilidade e menos desperdício de esforço.

Com estas dicas tenho certeza que vocêenf, assim como estará mais preparado para enfrentar os desafios do setor e conseguirá absorver os benefícios que a inovação e a tecnologia podem trazer à sua rotina de trabalho.

Veja também: Inovação em Endomarketing [Ebook Gratuito]

Mariana Dias — Formada em Administração pela USP e tem especialização em Empreendedorismo e Inovação pela Universidade de Stanford. Começou sua carreira como trainee da Ambev, onde trabalhou por quatro anos e ocupou o cargo de Business Partner para a América Latina. É CEO e cofundadora da Gupy, líder de recrutamento com base em Inteligência Artificial e machine learning no Brasil, que conta com clientes como Ambev, Embraer e Quinto Andar.

Passo a passo para escolher a profissão

Passo a passo para escolher a profissão

Confira um roteiro com 13 etapas para você se sentir pronto para essa grande decisão

Por Lisandra Matias | 4 maio 2018, 15h42 – Publicado em 4 maio 2018, 15h15

Passo a passo para escolher a profissão

(imagem: istock) (iStock/iStock)

Está chegando o grande momento! Você, provavelmente, está no final do Ensino Médio ou no cursinho e, depois de pensar muito, terá que tomar a primeira grande decisão da sua vida: “que curso vou fazer”? O primeiro semestre do ano é a época ideal para você começar a refletir sobre isso. Assim, você terá tempo para pesquisar, tirar suas dúvidas e se preparar para essa importante escolha. Confira um roteiro, com 13 passos, que vai te ajudar a encontrar sua opção de forma mais consciente e tranquila.

1) Descubra quem é você

Só se conhecendo bem você consegue identificar suas preferências. Conhecer-se é fundamental para você conseguir se projetar numa carreira. Lembre-se que o trabalho costuma ocupar grande parte do dia e define um estilo de vida. Por isso, é importante que você se identifique com os temas, as pessoas e os ambientes que farão parte do seu cotidiano. Para esse exercício de autoconhecimento, considere suas características pessoaisinteresse e valores, refletindo sobre questões como:

– você é introvertido ou extrovertido? Agitado ou mais tranquilo?

– tem facilidade em se relacionar com muitas pessoas, ou se sente mais confortável em pequenos grupos ou sozinho?

– prefere atividade em ambientes fechados ou ao ar livre, em contato com a natureza?

– tem espírito aventureiro, aberto a novas experiências e desafios, ou prefere uma rotina mais definida?

– que assuntos que mais o atraem? Sobre quais temas você gosta mais de se informar?

– quais seus hobbies?  O que gosta de fazer no tempo livre?

– quais são suas principais habilidades, qualidades e pontos fortes?

– e os seus pontos fracos?

– em que tipo de situação ou atividade se sente bem? Em quais se sente desconfortável?

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: ao fazer testes de orientação profissional, você terá que refletir sobre seu jeito de ser e preferências. Veja esses testes:

2) Reveja o passado

Conhecer-se também é rever o passado e identificar as influências recebidas ao longo da vida, já que o ambiente em que nascemos e crescemos determina os nossos valores. Não é raro, por exemplo, alguém pensar em ser advogado porque essa é a profissão tradicional na família. Ou psicólogo, porque tem um temperamento conciliador e compreensivo. Essas opções não devem ser descartadas, mas precisam ser confrontadas com o seu perfil e um conhecimento mais aprofundado de cada área de atuação. Também é preciso ter coragem para quebrar a corrente de modelos que você seguiu até agora, conquistar autonomia com relação a seus pais e amigos.

3) Considere sua vida escolar até então

Como foi sua vida escolar até então? Analise seu desempenho, lembre-se das disciplinas em que tinha mais facilidade ou dificuldade e considere até o seu comportamento e perfil de estudante (ser era líder, mais ou menos extrovertido etc). Porém, cuidado: não é porque gosta de História que terá que escolher esse curso. Mas é uma informação a mais que não pode ser ignorada.

4) Projete-se para o futuro

Os orientadores profissionais são unânimes em dizer que é fundamental que a sua escolha profissional esteja atrelada ao seu projeto de vida, ou seja, ao que você vislumbra para o seu futuro. Pergunte-se como você imagina estar daqui a dez anos: Que estilo de vida gostaria de ter? Com que perfil de pessoas gostaria de conviver? E, finalmente, o que você deseja conquistar com a sua profissão?

5) Pense nas suas prioridades

Ao fazer o passo 4, alguns valores que são muito importantes para a escolha vão ficando mais claros. Para algumas pessoas, a importância dada para a realização pessoal fica muito mais evidente do que a situação financeira. Para outros, a remuneração fala mais alto. É importante você perceber o que é fundamental para você.

6) Informe-se muito

Existem mais de 250 profissões estabelecidas no mercado. E, em cada uma delas, há muitas áreas de atuação. Tente conhecer o maior número possível de cursos e profissões. O seu futuro pode estar numa área que você nem sabia que exista!

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: Veja a lista de cursos. Ela está dividida em 8 áreas de conhecimento. De cada opção, você encontra informações sobre a profissão, as áreas de atuação, o mercado de trabalho e o curso.

DICA: Pense em fazer um rodízio de leitura com os amigos para dar conta de conhecer mais áreas e cursos. Cada um lê uma área e depois compartilha com o grupo.

7) Veja vídeos de profissionais

Confira também se o curso que você tem interesse possui vídeo no canal Na real, que traz a rotina de diferentes profissionais. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.

8) Faça uma seleção

Depois de se informar sobre os cursos e profissões (passo 6) e assistir aos vídeos que mais lhe interessaram (passo 7), tente fazer uma lista com os cursos “finalistas”. A ideia é combinar seu exercício de autoconhecimento com as características de cada profissão.

9) Pesquise na internet

Ao conseguir chegar em uma lista menor de possiblidades, é hora de arregaçar as mangas e descobrir se aquilo que você imagina sobre o curso condiz com a realidade. Então que tal entrar em sites de faculdades que oferecem os cursos que você mais gostou para checar informações como a grade curricular? Assim, você terá uma boa ideia do que vai encontrar durante o curso e poderá avaliar seu interesse nesses temas.

10)Visite faculdades

Se você quiser ir ainda mais fundo na sua pesquisa, o passo seguinte é visitar uma faculdade e conferir de perto como são as aulas e a rotina de estudos do curso que você tem em mente. Vá até o local, sinta o clima e troque ideias com alunos e professores. Pergunte quais são os pontos fortes e fracos do curso. Vale fazer uma listinha com tudo o que deseja saber. O importante é não ficar com dúvidas. Veja exemplos de perguntas:

  • Para os alunos: quais os aspectos do curso você mais gosta? E quais menos gosta?
  • Além das aulas, que outras atividades são oferecidas aos alunos?
  • Quais as principais áreas de atuação do profissional formado?

COMO O GUIA DO ESTUDANTE PODE AJUDAR: Digite o nome do curso na busca (na barra superior, à direita). À esquerda, aparecerá o quadro “Filtrar por”. Clique em “graduação” e selecione os filtros de seu interesse (por localização/estado e, em seguida, por nome da universidade, por exemplo).

 11) Fale com profissionais

Agora que você já tem uma (ou algumas) opções em vista, que tal submetê-las a uma “prova de fogo”? Para reafirmar sua escolha (ou mudá-la enquanto é tempo) um bate-papo com profissionais da área é um tira-teima poderoso. Assim, você terá uma visão mais concreta de como é o ambiente de trabalho e o dia a dia da profissão.

Procure, por meio de seus amigos e parentes, alguém que trabalha na área de seu interesse. Agende um encontro, de preferência no local de trabalho da pessoa. Observe o ambiente e o modo como as pessoas desempenham suas atividades. O clima é mais formal ou informal? Os horários são fixos ou maleáveis? Coisas assim simples fazem a diferença no dia a dia.

Não se esqueça de questionar como é a rotina daquele profissional. Exemplos de perguntas que você pode fazer:

  • Quais são as principais atividades que fazem parte da sua rotina?
  • Quais os pontos fortes e fracos dessa profissão?
  • Que características são importantes para atuar nessa área?

12) Considere o mercado de trabalho

Um outro componente importante é saber a quantas anda o mercado de trabalho da profissão de seu interesse. Quais as perspectivas de remuneração ao longo da carreira? É claro que, até você se formar, a oferta e a procura de profissionais de uma área deverá se alterar consideravelmente. Mas, se conseguir enxergar as tendências do mundo e do Brasil, ficará mais fácil perceber as carreiras que provavelmente terão boas perspectivas quando você tiver o canudo em mãos. Por exemplo, você deve saber que o mundo e o Brasil estão envelhecendo – é cada vez maior a proporção de pessoas com mais de 60 anos sobre a população total. Ao mesmo tempo, as pessoas vivem cada vez mais tempo. Isso já é uma bússola que indica que carreiras voltadas ao público da terceira idade, como geriatria e fisioterapia, tendem a se valorizar.

13) Frequente feiras de profissões

Uma boa pedida para ter as várias informações de que precisa – sobre cursos, dia a dia do profissional e mercado de trabalho – reunidas num só local é visitar feiras de profissões. Várias universidades realizam esse tipo de evento. O GUIA DO ESTUDANTE também tem a sua feira, desde 2006. Durante três dias e em um só espaço, é possível entrar em contato com as instituições de ensino superior expositoras, assistir palestras com profissionais e personalidades sobre suas trajetórias e experiências, realizar testes vocacionais e simulados e participar de gincanas e games. Em 2018, ela vai acontecer de 13 a 15 de setembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo (SP). Veja aqui o que rolou na Feira do Guia do Estudante em 2017.

Fonte: Guia do Estudante

Como encarar desafios e transformações profissionais?

Vivemos uma era hiperconectada, onde as pessoas consomem diferente, onde a propaganda não surte o mesmo efeito. Como enfrentar tantas barreiras e mudanças?

Fábio Bandeira de Mello, 23 de abril de 2018 (administradores.com)

Conhecimento. Essa é sua arma para encarar os constantes desafios e transformações que acontecem no mundo empresarial e também nas carreiras.

Nada é como antes. Vivemos uma era hiperconectada, onde as pessoas consomem diferente, onde a propaganda não surte o mesmo efeito.

Deixamos de ser meros receptores. Queremos nos relacionar mais, questionar mais, co-criar novos produtos e serviços. Compartilhar? Só aquilo que merece. Opinar? Sim, e sobre tudo.

A antiga relação patrão e trabalhador está fadada ao fim. O antigo Marketing nem funciona mais. As profissões mudaram, o profissional mudou.

Novos processos e tecnologias surgem a cada dia deixando tudo no presente obsoleto. Novas características e habilidades são necessárias para sobreviver a esse novo cenário.

Mas, como enfrentar tantas barreiras e mudanças?

Conhecimento. Essa é sua arma para encarar os constantes desafios e transformações que acontecem no mundo empresarial e também nas carreiras.

O texto virou vídeo para falarmos sobre o Administradores Premium, uma plataforma que é toda focada em conhecimento e ajuda nesta transformação. Vale a pena conferir.

Fonte: Administradores.com

Como escolher o curso que melhor se encaixa em seu perfil?

Veja um passo a passo para fazer sua escolha e conheça os perfis ideais de cada área

escolher o curso

Procure conhecer bem a si mesmo e aos cursos e carreira que pretende seguir. Com certeza você já ouviu muito isso, mas de fato esse encaminhamento é a melhor forma de escolher uma profissão. E buscar referências e informações com amigos, familiares, amigos dos seus pais e outras pessoas que já estão no mercado de trabalho ou na faculdade é a melhor maneira de conseguir esse conhecimento.

Além disso, Denise Retamal, diretora-executiva da RHIO’S Recursos Humanos e responsável pelo programa de orientação de carreiras “Jobs of the Future”, defende que o estudante, antes de escolher um curso, pense na carreira que deseja para a vida. “Hoje, mais importante do que a profissão é a carreira que você constrói. O mercado pede expertise, que á soma de conhecimentos multidisciplinares com experiências múltiplas – não necessariamente de trabalho, mas de vida”, diz ela.



Isso exige dois passos. Primeiro, é preciso olhar para dentro de si e analisar suas habilidades, gostos e personalidade. Depois, deve procurar as carreiras que possam combinar com você e buscar a maior quantidade possível de informações sobre elas. Veja palestras, congressos, pesquise sobre o mercado, converse com profissionais da área. Conhecer a universidade e tentar participar de atividades por lá, incluindo até algumas aulas, também pode ajudar você a se decidir.

O intuito, nessa etapa, não é decidir por uma profissão, como geólogo ou médico. É descobrir áreas e temas de interesse com os quais você gostaria de trabalhar a longo prazo – por exemplo, exploração mineral ou cirurgia infantil. “Há carreiras, como a nanotecnologia, que podem ser aplicadas em vários segmentos. Não adianta escolher um curso de graduação sem saber o que vai fazer com ele”, completa Denise.

COMO FAZER A ESCOLHA CERTA

  • Analise-se

Liste são suas habilidades, gostos e personalidade

  • Busque informações de fora

Procure as carreiras que permitirão aplicar e desenvolver suas habilidades e gostos e junte a maior quantidade possível de informações sobre elas

A ideia é que, se você já sabe aonde quer chegar na carreira, terá mais clareza para definir os passos e ferramentas necessários para isso – como os cursos de graduação e especialização que vai fazer, os idiomas que precisa aprender, estágios e a melhor instituição para estudar (dependendo do lugar, os cursos podem ter focos diferentes), por exemplo. “Com esse preparo, ao final do curso a sua inserção no mercado de trabalho já será mais natural”, afirma Denise.

Ao longo desse processo, é bom considerar certas questões. Manoela Costa, gerente da PageTalent, uma consultoria especializada no recrutamento e seleção de estagiários e trainees, listou algumas perguntas que você deve fazer a si mesmo:

PERGUNTE-SE:

  • Em que profissões poderei usar as habilidades que já tenho?
  • Eu conheço bem o curso que pretendo fazer? Já dei uma olhada na grade para ver que matérias vou estudar?
  • Em que locais, empresas e cargos poderei aplicar os conhecimentos adquiridos na faculdade?

Em relação à profissão escolhida, reflita e escreva em um papel as respostas às seguintes questões:

SOBRE A PROFISSÃO QUE VOCÊ PENSA EM FAZER:

  • Que atividades terei de fazer nessa profissão e vou gostar?
  • Que atividades terei de fazer e não vou gostar?
  • Que atividades não farei, mas gostaria de fazer?
  • Que atividades não farei e não gostaria de fazer?

Depois de fazer isso, é preciso considerar se as vantagens e desvantagens vão compensar. Você vai se sentir realizado se não puder usar algumas de suas habilidades? E se tiver de fazer coisas que não gostaria? Se não consegue ver sangue, por exemplo, e ainda assim quer fazer Medicina, vale se perguntar por que você quer tanto essa carreira e se o saldo será positivo no fim do processo. “O ideal seria a pessoa conseguir conciliar as duas coisas: habilidade e hobby”, diz Manoela.

A primeira etapa desse processo de escolha (o autoconhecimento) é com você. Na segunda, a gente pode ajudar. Conversamos com especialistas de cada uma das grandes áreas (saúde, administração e negócios, meio ambiente e ciências agrarias, ciências sociais e humanas, comunicação e informação, ciências exatas e informática) para descobrir qual o perfil dos alunos de cada curso e que habilidades eles precisam ter para se dar bem na carreira. Veja a tabela no início da matéria e clique em cada uma para descobrir.

Fonte: Guia do Estudante

9 carreiras estranhas que serão valorizadas no futuro

Hoje algumas profissões podem parecer bem anormais, mas elas vão explodir no mercado de trabalho em 2030.

Por Claudia Gasparini, de EXAME – 19 out 2017, 12h37

Profissão Policial Virtual

(4×6/iStock)

Com os avanços da ciência, algumas profissões já estão se tornando obsoletas — e muita gente perderá o emprego para robôs. Por outro lado, muitas outras carreiras deverão explodir graças ao progresso tecnológico.

Um levantamento da Michael Page, consultoria especializada no recrutamento de alta e média gerência, indica algumas ocupações curiosas que serão muito demandadas no futuro próximo.

A partir de 2030, o encurtamento das distâncias entre tecnologia, trabalho e sociedade darão um forte impulso nas seguintes carreiras, de acordo com Ricardo Basaglia, diretor-executivo da companhia:

1. Consultor de genoma

De acordo com Basaglia, os avanços da medicina diagnóstica devem impulsionar a carreira do “arquiteto de bebês”.

A função desse especialista em genética será oferecer possibilidades de prevenção de doenças e até alterações físicas em seres humanos que ainda não nasceram. “A função do consultor de genoma poderá ser tão comum quanto a do pediatra é nos dias de hoje”, afirma Basaglia.

2. Consultor de longevidade

As gerações do futuro viverão mais, e será necessário aprender a lidar com essa existência prolongada sem perder saúde, produtividade e alegria.

De acordo com o diretor da Michael Page, deverá haver uma intensa demanda por consultores de longevidade, isto é, especialistas em técnicas, projetos e serviços para tornar a terceira idade mais saudável. “O consultor de longevidade será um facilitador de atividades, viagens e programas específicos, sobretudo para pessoas com mais de 70 anos”, diz Basaglia.

Veja também: Compreenda a importância do pedagogo no ambiente hospitalar.

3. “Hacker” genético

No universo da tecnologia, o “hacker” é aquele que consegue fazer alterações em um sistema a partir de conhecimentos profundos sobre o seu funcionamento.

Transposto para o universo da biologia, o “hacker” genético será o profissional responsável por melhoramentos em nível celular, microbiológico, que já fazem parte do agronegócio, por exemplo, desde o advento dos transgênicos. Esse profissional também será demandado pela medicina, pelo esporte e por todas as atividades em que se busca superar os limites da performance humana.

4. Policial virtual

De um modo geral, as leis, tratados e acordos jurídicos foram pensados para um mundo “offline”. Com a popularização da internet, surge a necessidade de criar instrumentos para combater novas formas de violência.

“O policial digital será treinado para investigar fraudes, furtos, distorções, quebra de reputações, formação de quadrilhas, tráficos em diversas escalas, em suma, crimes que ocorrem por meio de dados, algoritmos, softwares”, explica Basaglia.

5. Especialista em simplicidade

Com o oceano de informações e tarefas que invade nossas vidas todos os dias, o mercado será cada vez mais receptivo a profissionais que saibam simplificar processos, discursos, serviços e produtos.

O mercado financeiro já contrata pessoas para comunicar e vender serviços de consultoria de investimento em um formato simplificado e agradável para o grande público. Em um futuro próximo, mais indústrias devem investir em conceitos de simplicidade para aproximar clientes da sua oferta.

6. Assessor de aprimoramento pessoal

Não é nenhuma novidade contratar pessoas externas para superar problemas pessoais ou profissionais — coaches, mentores e especialistas em mindfulness que o digam. De acordo com Basaglia, esse tipo de carreira deve se expandir ainda mais no futuro.

Os serviços de aprimoramento pessoal serão ainda mais personalizados e precisos, com a ajuda de disciplinas como neurociência, nanotecnologia e ciência dos dados. “Essa posição já está semeada na sociedade atual, e deverá ganhar muitas variações, pois a ideia de que é preciso evoluir será determinante para o futuro da humanidade”, diz o diretor da Michael Page.

7. Programador de entretenimento pessoal

Esse profissional atuará como uma espécie de consultor para ajudar a escolher séries, shows e restaurantes de que seus clientes mais têm probabilidade de gostar. Empresas como Google, Facebook e Amazon já contratam esse tipo de serviço.

Com o avanço da tecnologia, esses programadores farão um trabalho ainda mais sofisticado de mapeamento de hábitos de busca, consumo e engajamento, para posteriormente oferecer produtos, ofertas e publicidade às pessoas.

8. Curador de sustentabilidade

Segundo Basaglia, há um enorme potencial de desenvolvimento para tecnologias de previsão sobre os efeitos climáticos de furacões, inundações e secas persistentes. Essa inteligência será crucial para biólogos, geólogos, químicos e ambientalistas estudarem os fenômenos naturais quase em tempo real.

“Empresas e governos terão a responsabilidade de conter danos, recuperar estragos e quem sabe até recuperar espécies de plantas, animais e outros seres extintos”, afirma o diretor da Michael Page. “É consenso que a ciência paradigmática do século XXI será a biologia, a exemplo do que foi a física no século passado.”

9. Especialista em gestão de resíduos

Esse profissional será muito demandado no futuro próximo por causa da enorme quantidade de resíduos produzida e despejada de maneira imprópria na natureza.

“O lixo não poderá mais ser encarado como um campo meramente de contenção higiênica”, diz Basaglia. “A gestão de resíduos vai demandar tecnologia de ponta e será determinante para o sucesso da vida no planeta e para a exploração do potencial criativo da reciclagem”.