A importância de se mover por um sonho

Se você tem um projeto e pretende tirá-lo do papel com o objetivo de ganhar dinheiro, talvez seja melhor rever seus conceitos.

A importância de se mover por um sonho

Obviamente, todo negócio precisa gerar lucros e prosperar, e um bom empreendedor precisa ter consciência disso. Mas o resultado financeiro não pode ser o motor que move a iniciativa. É o que defende a empreendedora Ana Fontes.

Leia também:

O lado ruim de trabalhar na empresa dos sonhos
Profissões que permitem trabalhar em qualquer lugar do mundo
Não deixe seus medos pararem você

Para Ana, o elemento chave para qualquer empreendedor precisa ser o sonho. É o propósito que ele tem, ou seja, o desejo de gerar impacto sobre a vida das pessoas que deve movê-lo. Como exemplo de quem iniciou com um sonho e hoje é uma empreendedora de sucesso, Ana Fontes cita Sofia Esteves, fundadora da Cia de Talentos. Ela lembra que a empresária, inicialmente, tinha como objetivo se capacitar para ajudar crianças abandonadas, fundando um orfanato. Essa primeira motivação já revelava o propósito central de Sofia, que era trabalhar para ajudar pessoas.

Nesse sentido, Ana ressalta algumas perguntas que você deve se fazer antes de pensar em criar um negócios:

Para que você quer empreender?

O que empreender significa para você?

Qual o impacto do seu negócio na sua comunidade?

O que esse negócio significa para sua família?

Como esse empreendimento vai impactar sua própria vida?

Ana ressalta que empreender é, antes de tudo, sonhar. E, sobre esse aspecto, ela faz uma observação interessante. “Sonho não tem tamanho. Você pode sonhar pequeno, sonhar médio, sonhar alto. Mas o trabalho será o mesmo. Então, sonhe grande”, destaca a empreendedora.

Nesse processo de sonhar e colocar a mão na massa, Ana Fontes ressalta a importância de agregar outras capacidades à de sonhar e ter um objetivo claro, que precisam ser valorizadas pelo empreendedor. São elas:

Resiliência – “Trata-se da capacidade de errar e continuar no caminho. Quando algo abater, você continuar motivado a fazer de novo e não desistir”, explica.

Força – Diz respeito a “ter firmeza no propósito, estar bem consigo e organizar bem as pessoas à volta. Você não vai conseguir resistir aos problemas do dia a dia se não for forte”, afirma.

Fonte: Administradores.com

Cursos Online na Área de Comunicação e Marketing

10 passos para você tomar coragem e empreender

Empreender não é fácil. Entre a ideia inicial e a inauguração de um negócio, há vários obstáculos, que podem tornar o processo de criação longo. “O tempo de abertura varia muito, mas pode levar de seis meses a um ano, dependendo da atividade da empresa”, afirma Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo do Insper. Se o negócio exigir um protótipo, por exemplo, prepare-se para um prazo mais próximo dos 12 meses. Se o projeto for virtual, esse tempo pode ser menor.

Empreender

É necessário ter coragem para empreender, não importa o tipo do negócio. Qualquer obstáculo pode ser encarado como um empecilho para não agir. Já pensou que um futuro brilhante pode escapar de suas mãos por causa de uma desculpa esfarrapada?

Veja também: Já pensou em internacionalizar seu currículo participando do Seminário Internacional 2014 na cidade de Orlando / USA? E ainda conhecer o que é preciso para criar a Magia da Walt Disney World®? Saiba mais

Para ajudar empreendedores a tomar coragem e realizar seus sonhos, o professor Nakagawa enumera algumas dicas importantes. Fique atento:

– Misture-se a outros empreendedores: Há encontros de empreendedorismo em muitas cidades. Essas reuniões são essenciais tanto para quem já tem um negócio quanto para os que procuram inspiração para abrir uma empresa. É nelas que você poderá encontrar sócios, parceiros e clientes, além de ouvir histórias de sucesso e fracassos – essenciais para quem está no começo.

– Aprenda a planejar o negócio: Para fazer isso, há duas formas principais, uma para negócios tradicionais (offline) e outra para os digitais. Se sua empresa oferece um produto ou serviço que já existe, comece traçando um plano de negócios. Com ele tudo ficará mais claro. Se o negócio for virtual, será preciso iniciar por uma forma simplificada do que você pretende oferecer. Assim será possível sentir o mercado e planejar, testando diretamente o protótipo (ou a fase beta do negócio). Dessa forma mais interativa também será possível receber mais retorno de clientes e usuários do produto ou serviço.

– Busque o sócio ideal: normalmente, toda empresa tem pessoas com duas competências: fazer e vender. Antes de abrir um negócio, tenha claro se você é do time dos que fazem ou dos que vendem. Idealmente, toda empresa tem pelo menos dois sócios, cada um com sua característica principal. Dividir as tarefas é importante para fazer o negócio engrenar. Se você acumular as duas funções, sua vida pessoal irá se tornar um caos, especialmente se você usar o dia para vender a ideia e a noite para realizá-la. Encontre pessoas com capacidades complementares às suas. O início do processo de empreender é estafante e requer muita dedicação.

– Tente (pelo menos!) fazer uma previsão do fluxo de caixa do negócio: de quanto você vai precisar para abrir o negócio? Depois de quanto tempo o caixa deverá se tornar positivo? Isso é essencial para se planejar financeiramente, especialmente se você tiver muitas contas para pagar e for o principal suporte financeiro da família. Esteja preparado para enfrentar as dificuldades iniciais e não desistir facilmente de uma boa ideia por precisar voltar a ter um salário. Se seu perfil for o de uma pessoa que só consegue ter sossego com um bom saldo na conta bancária, aumente a poupança enquanto tiver um salário fixo, por exemplo, para se sentir mais seguro depois.

– Seu preparo psicológico poderá ser até mais importante que o planejamento estratégico: ele varia muito de pessoa para pessoa, mas fique atento a pontos essenciais, como a dependência do trabalho em grupo, a estabilidade financeira, o peso da vida pessoal etc. É essencial buscar pelo menos um ou dois mentores e fazer reuniões a cada dois ou três meses para conversar sobre como vai a vida empreendedora e também a pessoal. Na ânsia de fazer o negócio se tornar realidade, muitos empreendedores abrem mão de suas vidas pessoais. Os mentores podem ajudá-lo a permanecer com os pés no chão e balancear as necessidades do negócio e de sua vida fora dele.

No futuro, os mentores poderão integrar o conselho de orientação e/ou administração da empresa. Ao escolher esses conselheiros, considere três perfis diferentes. O primeiro pode ser alguém que entenda de gestão. Vale chamar um amigo que trabalhe numa grande empresa e que seja capaz de traduzir técnicas de gestão usadas no dia a dia para uma pequena empresa. Outro mentor pode ser um estudioso de negócios, que traga ideias novas. Vale um professor e até um estudante de administração de empresas. O terceiro mentor pode ser um cliente que é amigo e possa criticar seu negócio do ponto de vista do consumidor. Além de ajudar a empresa a se tornar mais sólida, os conselheiros são importantes para torná-la mais profissional. É para eles que você deverá apresentar seus resultados, por exemplo.

– Divida seu tempo: antes de começar o negócio, sente com sua família e tenha uma conversa franca. Prepare-se (e prepare-os) para o período até o ponto de equilíbrio da empresa (quando ela sai do vermelho e começa a pelo menos não dar prejuízo). Tenha claro que essa fase será de muito trabalho (sabe aquela história de 100% transpiração? É bem por aí!) e que você terá pouco tempo para se dedicar à família e aos amigos. Toda essa preparação faz parte do investimento emocional de empreender. Depois que o negócio andar com as próprias pernas, equilibre suas vidas pessoal e profissional. Empreendedor também precisa ter descanso, tirar férias… Use a sazonalidade do negócio, por exemplo, para tirar dias de folga, viajar com a família e relaxar.

– Interaja com seu mercado consumidor:  Isso é essencial sempre, mas especialmente nos primeiros seis meses, durante a elaboração do seu plano de negócios ou do protótipo de seu produto. Vá a feiras e eventos voltados ao seu público, converse com as pessoas, mostre seu projeto.

– Contrate bons profissionais: uma das principais dores de cabeça dos empreendedores está na contratação de uma empresa de contabilidade. Para evitar problemas, converse com outros empreendedores e conheça pelo menos cinco clientes do contador que pretende contratar antes de fechar o contrato. Seu contador precisa ser “invisível” na empresa. Se a presença dele for muito frequente, será um sinal de que algo vai mal.

– Esteja ao lado da lei: tirar alvarás de funcionamento, autorizações e outros documentos públicos requer tempo. Em geral, demora-se bastante para acertar todos os detalhes do negócio. Fique atento ao período também. Uma época eleitoral ou pós-eleitoral, por exemplo, pode atrasar ainda mais a obtenção de documentos, pois geralmente há mudanças nos cargos de confiança municipais e estaduais. O planejamento legal do seu negócio precisa ocorrer em paralelo com as outras diretrizes do negócio. Não deixe para depois.

– Busque inspiração constante: se você quer ser empreendedor, precisa gostar de negócios. Busque informações sobre grandes empresas e empreendedores que você admira. Vá a feiras e congressos nacionais e internacionais, leia sobre o assunto. A inspiração pode vir até da concorrência, mas não apenas dela. Procure referências em áreas diferentes da sua. Os donos do Starbucks, por exemplo, se espelharam no design da Apple, na inovação da Nike, na logística da Zara, na experiência de ambientes da Walt Disney Company. Aprendendo com os exemplos de outros, você certamente se sentirá mais motivado.

Fonte: revistapegn.globo.com