SISU 2º sementre 2017

MEC libera consulta às vagas do Sisu de meio de ano

As inscrições começam nesta segunda-feira (29); resultado da chamada regular sai no dia 5 de junho.

SISU 2º sementre 2017

(Redação/Guia do Estudante)

O Ministério da Educação (MEC) liberou o acesso à consulta de vagas que serão oferecidas na edição de meio de ano do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2017. As inscrições começam na próxima segunda-feira (29), e vão até as 23h59 da quinta-feira, dia 1° de junho.

A chamada única ocorrerá no dia 5 de junho, com lista de espera disponível até o dia 19 do mesmo mês. As próximas chamadas ficarão por conta das próprias instituições, com base na lista de espera, a partir de 26 de junho.

Para concorrer, é necessário ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 e não ter tirado zero na redação. Notas de outras edições do Enem não serão aceitas. Os candidatos poderão se inscrever em até duas opções de curso em universidades e institutos públicos, federais e estaduais.

Veja também:

Orientações para inscrição

Para se candidatar, é necessário acessar o site do Sisu, informar o número de inscrição no Enem 2016 e escolher, por ordem de preferência, até duas opções nas vagas ofertadas pelas instituições participantes do programa.

Durante o período de inscrição, o Sisu calcula uma vez por dia a nota de corte para cada curso, com base no número de vagas disponíveis e nas notas dos candidatos inscritos. O candidato pode, durante o período de inscrição, modificar sua opção quantas vezes quiser. É importante ressaltar que o Sisu considera somente a última inscrição concluída.

Pesos e nota mínima

Algumas instituições participantes do Sisu adotam pesos diferenciados para as provas do Enem. Esta informação estará disponível para o candidato no momento da inscrição. Quando o candidato se inscrever para cursos em que a instituição adotou peso diferenciado para determinada prova do Enem, o sistema fará automaticamente o cálculo, de acordo com as especificações da instituição, gerando uma nova nota. Por isso, um candidato pode ter notas diferentes para cursos diferentes.

Além disso, algumas instituições de ensino adotam uma nota mínima para a inscrição em determinado curso. Ao pleitear uma vaga, o aluno é informado se sua nota obtida é suficiente para concorrer àquele curso. Se não for, ele pode optar por outro curso ou outra instituição. É importante lembrar que estudantes que tiraram nota zero na redação do Enem não poderão concorrer às vagas oferecidas pelo Sisu.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

 

5 dicas para controlar a ansiedade antes do Enem

Diminuir o nervosismo pode garantir um bom desempenho na prova

Como estudar faltando 30 dias para o Enem

Não é hora de bobear: veja o melhor jeito de se preparar e os conteúdos que mais caem

Ana Lourenço | 07/10/2016 16h 44 – Guia do Estudante

Agora falta pouco. Em cerca de um mês, mais de 8 milhões de estudantes farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016. Desde que passou a ser usado como critério de seleção de diversas universidades públicas e privadas, além de ser requisito para programas como o Sisu, o Prouni e o Fies, a prova se tornou o maior vestibular do país.

Enem

iStock

Com toda a sua relevância, o Enem não é uma prova fácil. Com seus dois dias de provas, 180 questões, e ainda uma redação, o exame é quase uma maratona. Mas não há motivos para se desesperar. Para ajudar você a enfrentar da melhor forma essa prova, separamos algumas dicas de como se preparar para o exame. Confira as nossas dicas e boa sorte!

Leia também: Aprenda a redigir melhor diferentes tipos de textos e redações.

O estudo na reta final

O mais importante é saber organizar o seu tempo. Se até o Enem teremos quatro semanas, é importante programar os estudos e definir quais matérias vão ser estudadas em cada dia. Não adianta desperdiçar tempo e esforços com aqueles tópicos nos quais sempre teve dificuldades, assim como também não dá para focar só no que já domina. Qual é a solução, então? Não há segredo: treinar. Nas próximas semanas, invista o máximo em dominar a prova e o que ela espera de você. Veja abaixo o passo a passo.

Resolva provas anteriores: Aproveite as últimas semanas para refazer o máximo de provas antigas possível. “Como o Enem apresenta uma matriz específica de competências e habilidades à qual os conteúdos estão relacionados, as provas de cada ano têm um modelo bastante parecido e os conteúdos mais cobrados sempre se repetem”, explica a professora Ana Paula Dibbern, do cursinho Maximize. Além disso, é a oportunidade de ver se, resolvendo os exercícios, você acaba percebendo algum tema que ainda precisa ser revisado uma última vez, ou algum tópico que precisa ser mais exercitado.

Escreva uma redação por semana: Ao pegar as provas anteriores, separe as propostas de redação e reserve um tempo para fazer pelo menos uma por semana. “É importante que a sua redação seja lida por alguém, de preferência um professor que possa avaliar os critérios cobrados pelo Enem para a redação”, avalia a professora. Procure sempre ficar atento às cinco competências exigidas pelos corretores, especialmente a proposta de intervenção, que pode ser uma pegadinha para os mais desavisados.

Elabore uma estratégia para a prova: O segredo é entender como funciona a teoria de resposta ao item (TRI), método usado na correção do Enem. Por este método, fica muito mais difícil chutar, já que ele avalia a coerência da prova: se uma pessoa acerta muitas questões consideradas difíceis e poucas fáceis, o sistema aponta que há ali um problema (afinal, quem acerta as difíceis também acertaria as fáceis) e tira pontos do candidato. Portanto, vale mais a pena dedicar-se a responder primeiro as questões fáceis, depois as médias e depois as difíceis. Vale a pena fazer uma leitura geral da prova, antes de começar, para avaliar quais dá para responder na hora e quais devem ser deixadas para depois.

Outra boa escolha para a prova é checar o peso dado para cada área na nota da universidade no Sisu ou no ProUni. “Há opções de curso em que a redação tem peso 3, por exemplo. Assim, você pode avaliar por qual área começar no grande dia”, explica Ana Paula Dibbern.

Como sempre, um dos focos principais é a redação, já que uma boa nota nesta área pode puxar toda a sua média para cima. “Reserve tempo suficiente e com certa folga para fazer o seu texto. Uma boa opção é rascunhar a redação no início, resolver as questões de uma das áreas, ou mesmo das duas, e então voltar ao texto. Se você começar a prova um pouco nervoso, talvez seja melhor fazer parte das questões e depois, mais calmo, fazer a redação. Teste essas opções ao fazer o simulado com a prova anterior em casa”, diz a professora.

Observe suas fraquezas: Como falamos antes, durante a resolução das provas antigas, você pode acabar se deparando com um conteúdo ou outro que não esteja tão bem assimilado, além de checar como ele está sendo cobrado pela prova. Essa é a melhor oportunidade para observar suas fraquezas na prova, aquelas matérias com que você não se deu tão bem durante o estudo. Mas lembre-se: não dá mais tempo de assimilar profundamente algo novo. Se não aprendeu nada durante o ano sobre aquilo, dificilmente vai adiantar, agora, se debruçar sobre o assunto. Procure focar os esforços em matérias pouco solidificadas, mas já apreendidas, e em outras que estão precisando de uns exercícios a mais.

Os conteúdos que mais caem

Área O que mais cai
Ciências Humanas e suas Tecnologias – Democracia e Estado (movimentos sociais e poderes)
– Identidade nacional (cultura e patrimônio)
– América colonial
– Independência do Brasil
– Século XX no Brasil (Ditadura e Era Vargas)
– População, economia e transportes no Brasil
– Urbanização e estrutura agrária
– Problemas ambientais, climas e biomas
Ciências da Natureza e suas Tecnologias – Ecologia e problemas ambientais
– Química orgânica
– Genética e evolução
– Dinâmica, ondas e eletricidade
– Citologia, anatomia e fisiologia
– Cálculos químicos
– Materiais e ligações químicas
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias – Interpretação de textos
– Literatura (Modernismo, Romantismo e Realismo)
– Tecnologias da informação
– Diversidade e preconceito linguístico
Matemática e suas Tecnologias – Razão, proporção e regra de três
– Geometria
– Estatística e probabilidade
– Aritmética básica
– Equações do primeiro grau e funções

Fonte: Guia do Estudante

80 dicas para estudar cada matéria do Enem e vestibulares

Professores ouvidos pelo Guia do Estudante contam 10 estratégias para encarar cada matéria

da redação | 29/09/2016 18h 56 (Guia do Estudante)

Estudar

A poucas semanas do Enem e de outros vestibulares, não adianta tentar estudar de uma vez tudo o que vai cair na prova – seria um esforço tremendo para alcançar algo praticamente impossível. Agora é hora de usar seu tempo da maneira mais esperta possível. Como? Priorizando, ou direcionando o seu foco para aquilo que for mais importante em cada área do conhecimento.

Leia também: Qual é a diferença entre ocupação, profissão e carreira?

Há temas que são cobrados com muito mais frequência, enquanto outros podem consumir um enorme tempo de estudo, mas quase nunca aparecem na prova. Para ajudar você a fazer seu tempo render e direcioná-lo àquilo que for mais importante, o Guia do Estudante conversou com professores de cada matéria e reuniu um total de 80 dicas para lidar com elas. Essas dicas incluem conteúdos e as estratégias mais apropriadas a cada uma.

Para acessar, siga os links abaixo:

10 dicas para estudar Português
10 dicas para estudar Inglês
10 dicas para estudar História
10 dicas para estudar Geografia
10 dicas para estudar Física
10 dicas para estudar Química
10 dicas para estudar Biologia
10 dicas para estudar Matemática

3 dicas para aumentar a sua nota no Enem

Mandar na bem na prova de matemática e na redação são táticas para obter uma boa pontuação.

No próximo final de semana, nos dias 24 e 25 de outubro, mais de 7,7 milhões de estudantes em todo o Brasil farão a prova do Enem 2015. Com a proximidade da prova, a preocupação parece ser uma só: como conseguir uma boa pontuação no exame.

Enem

Como o Enem é corrigido com base na Teoria de Resposta ao Item (TRI), ele avalia os estudantes de acordo com o nível de dificuldade dos acerto da prova, ou seja, as questões mais difíceis valem mais. Por isso, as provas mais difíceis acabam tendo média de notas superior à de provas mais fáceis. “Pela forma da nota, gera mais resultado ir bem em Matemática do que ir bem em Português, por exemplo, já que, acertando mais questões em Matemática, você consegue ter uma nota maior”, diz Marcio Cohen, diretor da Eleva Educação.

Leia também: Prepare-se para o vestibular com cursos online.

Cursos Online para Vestibular

Outra prova que, indo bem, é garantia de sucesso na nota final, é a de redação. “A redação não é corrigida segundo o TRI, e sim pelos professores corretores. Por isso, é a única prova em que o estudante tem chance de tirar 1000”, explica o diretor.

Veja a seguir algumas dicas para mandar bem no Enem:

1) Dê atenção especial para as provas de Matemática e de redação, pois são as provas onde acertar mais gera mais resultado.
– Um passo a passo para mandar bem na redação do Enem.
2) Treine a precisão na hora do exame. Já que acertar uma difícil e errar uma fácil pode baixar sua nota, fique atento para não acabar caindo nesse erro. Priorize as questões fáceis antes das difíceis.
3) Planeje bem o tempo, você tem apenas 3 minutos para responder cada questão. Não corra o risco de ficar sem tempo para responder e acabar chutando: como a TRI avalia o padrão de resposta, é possível identifcar quando o candidato chuta no exame.

Fonte: Guia do Estudante – Editora Abril – da redação | 21/10/2015 17h 9