Escrever à mão

Escrever à mão nos torna mais inteligentes

Anotar aulas e elaborar resumos a mão fazem fixar melhor o conteúdo

Escrever à mão

Imagem: Thinkstock

Você é daqueles que levam o notebook ou o tablet para a sala de aula, para anotar o conteúdo direto pelo teclado? Ou prefere tirar uma foto da lousa pelo celular? Com a facilidade da tecnologia disponível, cada vez mais pessoas estão optando por essas táticas. Mas deixar a preguiça de lado e anotar o conteúdo no caderno é, ainda, a melhor opção, o que é explicado tanto pela ciência quanto por um raciocínio simples.

Leia também: Cursos online em todas as áreas para aperfeiçoamento profissional e atividades complementares.

Comecemos pelo segundo. Se você está tirando uma foto da lousa, gravando o que o professor está falando ou anotando com o teclado, certamente está conseguindo registrar tudo, mas não está absorvendo o conteúdo. Quando você anota à mão, não consegue captar todas as palavras do professor, o que lhe obriga a, de certa forma, “resumir” o conteúdo na mente ou captar as palavras-chave. Com isso, você é forçado a prestar mais atenção, o que com certeza é mais efetivo do que simplesmente fotografar o quadro-negro.

A ciência concorda: um estudo realizado por pesquisadores das Universidades de Princeton e da Califórnia, ambas dos EUA, analisou um grupo de estudantes onde uma parte fazia anotações por computador, outra parte fazia anotações no papel. Eles concluíram que o segundo grupo se saía significativamente melhor em provas do que o primeiro, o que leva a crer que, apesar de os estudantes que anotam por teclado conseguirem registrar mais informações da aula, os que anotam por papel devem compreender as palavras do professor para então escrever, em suas próprias palavras, o que foi dito pelo professor.

Manter um diário (ou caderno de anotações) ajuda a organizar a mente

Normalmente, nossa cabeça é um amontoado de pensamentos variados. Quando temos muitas preocupações ou afazeres, é comum que sintamos a cabeça sobrecarregada. É claro que uma boa conversa com um amigo ou parente pode ajudar, mas já pensou em colocar seus sentimentos ou ideias no papel? É essa a ideia por trás de manter um diário, ou mesmo um caderno de anotações para escrever quando sentir vontade.

Colocar os pensamentos ou sentimentos no papel ajuda a organizar melhor a cabeça e pode até, de repente, proporcionar uma reflexão que você não tinha imaginado ou uma solução para algum problema. Escrever põe as coisas em perspectiva e auxilia na tomada de decisões. Mas, mais do que isso, também ajuda a incrementar sua inteligência emocional – ou seja, ajuda a lidar melhor com frustrações, tristezas e a ficar mais bem resolvido com a vida.

Um estudo publicado na década de 1990 no Academy of Management Journal, dos EUA, dividiu um grupo de 63 engenheiros desempregados em três partes: o primeiro faria anotações diárias sobre sua procura por emprego; o segundo não faria nenhum tipo de anotação; e o terceiro manteria um diário onde escreveria sobre tudo, inclusive sentimentos profundos e pessoais. Ao fim de oito meses, os pesquisadores descobriram que 53% dos engenheiros do terceiro grupo e 24% do primeiro grupo haviam encontrado emprego, enquanto apenas 14% do segundo estava contratado. Isso levou os pesquisadores à conclusão de que escrever, não apenas sobre fatos objetivos, mas sobre sentimentos, faz com que a pessoa lide melhor com as situações negativas da vida e saiba contorná-las a seu favor.

Escrever é um exercício cognitivo que pode prevenir doenças

O ato de escrever é um ótimo exercício cognitivo que põe o cérebro e a memória para trabalhar. Mais uma da ciência: um estudo da Universidade de Bloomington, nos EUA, comprovou que crianças que aprendem a escrever com letra cursiva, no papel, desenvolve habilidades motoras e força o cérebro a trabalhar mais e melhor. A letra cursiva, que conecta uma letra à outra, é reconhecida pelos pesquisadores como a melhor opção de alfabetização, porque acelera a aprendizagem e a capacidade de leitura de crianças.

Além disso, por ser um exercício cerebral, escrever à mão pode ajudar a prevenir doenças degenerativas como o mal de Alzheimer. Para adultos, uma sugestão é aprender novas línguas, o que põe o cérebro para aprender uma nova forma de comunicação e, consequentemente, a escrever de um jeito diferente. Mais um jeito de “malhar” a cabeça e evitar o envelhecimento dos neurônios!

Fonte: Guia do Estudante (Abril)