Todo mundo quer mudanças, mas ninguém quer mudar a si mesmo

As pessoas têm hoje um olho atento para fazer sugestões e apontar soluções para todo tipo de problema. Mas, quando uma mudança pessoal aparece diante de nós, é impressionante como existe resistência.Veja exemplos de situações cotidianas comuns em que a recusa ao novo aflora e como lidar com elas.

Leia também:  5 dicas para não se desesperar diante de imprevistos

Treinamentos — participe deles com entusiasmo e vontade. Pense que a empresa escolheu investir em você. Sempre encontro (e me surpreendo) com uma quantidade de pessoas que dizem: “Sempre fiz assim”. Questione se a maneira como você sempre fez está certa. Aceite que a vida está lhe dando uma chance para mudar e melhorar. Ou será que prefere seguir agindo de forma inadequada?

Mudanças de arquitetura — Sua empresa decidiu optar por um novo layout ou uma nova maneira de posicionar os funcionários. Se o escritório está mais aberto, cuide, com o dobro de cuidado, de manter seu espaço de trabalho organizado e absolutamente adequado à imagem que sua empresa precisa ter. Lembre-se de que sua desorganização pode afetar a imagem dos colegas que agora trabalham próximos a você.

Patrimônio da empresa — Cuide das dependências da empresa como se fosse sua casa. Seja responsável no uso do material de escritório e dos móveis. Nada de pensar que na empresa pode tudo porque existe uma equipe contratada para a limpeza.

Home office consciente — Se sua empresa adota esquemas de trabalho a distância, você precisa ter o mesmo desempenho que teria se trabalhasse no escritório, mais próximo do chefe e dos colegas. Não confunda trabalhar de maneira remota com relaxar.

Ética e integridade são valores que devem nortear empresas e profissionais. Leve isso muito a sério e cuide para que suas ações e sua vida sejam igualmente pautadas por esses princípios que, para minha tristeza, de um tempo para cá parecem ter caído em desuso no país.

Fuja do que for pirata ou ilegal, nem sonhe em aceitar presentes que não se enquadrem na política de relacionamentos de sua empresa, não creia que propinas e agrados além da medida sejam um jeito fácil de fechar negócios. Deveríamos pensar mais sobre isso. Para mudar um país, é imperioso que cada um de nós faça um exame de consciência e mude também.

Fonte: exame.abril.com.br

5 dicas para não se desesperar diante de imprevistos

Com um cenário incerto na economia e equipes mais enxutas nas empresas, os imprevistos serão cada vez mais frequentes no dia a dia de trabalho. Descubra o que fazer para não se desesperar e deixar que eles fujam de seu controle.

O problema: Incapacidade de eleger prioridades

A solução: Antecipar os contratempos

Embora imprevistos aconteçam, alguns deles podem ser antecipados com a análise do cenário e a criação de estratégias alternativas para todas as situações. “É preciso traçar possibilidades, e para cada uma delas oferecer uma solução”, diz Fernando Jucá, da Atingire, consultoria de São Paulo.

Um momento bom para fazer isso é logo após a resolução de um problema, quando será mais fácil analisar as causas e as consequências e prever situações semelhantes.

Leia também: Conheça o que é e como desenvolver seu Raciocínio Lógico.

O problema: Acúmulo de tarefas

A solução: Organizar a agenda

Viver com uma agenda abarrotada de tarefas sem nenhuma folga para eventuais problemas faz com que os profissionais se sintam mais pressionados quando surge uma situação adversa.

Por isso é importante ter alguns períodos de folga, como faz Leo­nardo Sabedot, de 34 anos, gerente-geral da Lincoln Electric, multinacional americana do segmento de soldagem, de São Paulo.

Ele procura organizar os compromissos de modo a ter folgas para visitar clientes e resolver pendências. “Dou um jeito de ter tempo para ouvir os problemas dos clientes com calma e tentar ajudá-los”, diz Leonardo. Além de dar uma segurada nos ânimos a estratégia pode até ajudar na produtividade. “Se não acontecer nenhum imprevisto, o profissional consegue adiantar tarefas do dia seguinte”, afirma Alexandre Rangel, coach de São Paulo.

O problema: Ficar desesperado com as más notícias

A solução: Ser realista

Sofrer demais porque um imprevisto surgiu não ajuda em nada a encontrar soluções. Manter a calma e avaliar a dimensão real do problema e o impacto que ele vai ter na estratégia da empresa é a melhor alternativa para tomar uma boa decisão. “Às vezes, uma gota de café ganha uma proporção muito maior do que tem e estraga seu dia”, diz Alexandre.

Também procure não ficar reclamando e não desconte o estresse nos outros. Quem toma essa atitude, além de não contribuir em nada para a resolução do problema, piora o clima no trabalho. “Momentos de crises são oportunidades de alavancar a carreira e demonstrar uma boa liderança”, diz Rafael Souto, CEO da Produtive, consultoria com sede em São Paulo. As crises são passageiras, mas comportamentos extremados podem prejudicar sua imagem para sempre.

O problema: Um imprevisto que parece não ter saída

A solução: Ser flexível e criativo

As situações inesperadas são boas oportunidades para demonstrar flexibilidade e inovar. Foi o que ocorreu com Eduardo De Come, de 48 anos, diretor financeiro da Mineração Caraíba, com sede na Bahia.

O executivo foi surpreendido por um problema durante a importação de uma nova linha de produtos que vinham da Europa. Quando boa parte dos produtos já estava no meio do caminho, surgiu uma nova taxa, aumentando 200% o preço.

Como não dava para cancelar a operação, o jeito foi partir para a venda direta, que não era uma atividade da empresa. Criou-se um sistema para realizar esse processo, e a estratégia funcionou. Por não precisar de revendedores, foi possível evitar prejuízos. “Quando surgem imprevistos que precisam de uma solução rápida é necessário colocar a criatividade para resolvê-los”, diz Eduardo.

O problema: Falta de gente para resolver o imprevisto

A solução: Integrar pessoas

Alguns problemas não poderão ser resolvidos rapidamente e será necessário envolver pessoas com competências diferentes — e de várias áreas. Nesse momento é preciso depositar confiança em colegas e subordinados e pedir ajuda o mais rapidamente possível para não atrasar o processo.

Com a tecnologia ficou mais fácil colocar profissionais de diversas equipes em um hangout para pensar coletivamente e tomar as melhores decisões. “Os resultados serão melhores quando o conhecimento for compartilhado”, diz Flávio Boan, da consultoria Falconi, de São Paulo.

Se sua equipe estiver muito enxuta, vale até apelar para a rede de contatos e pedir ajuda a um ex-colega ou a um profissional de fora da empresa que você confie. “Alguém externo pode trazer um olhar diferente e propor uma solução mais inovadora”, afirma Rafael.

Fonte: exame.abril.com.br