O primeiro passo para o sucesso depende de uma escolha

O que determina o comportamento de alguém diante de um obstáculo? É possível mudar a forma como encaramos nossos problemas?

Bráulio Lalau, Administradores.com, 14 de julho de 2017, às 14h45

Sucesso

iStock

Quero começar este artigo lhes propondo um desafio. Quando estiverem no seu trabalho, parem e observem o ambiente da empresa por cinco minutos. Percebam que, dentro da própria organização na qual atuam, há todo um universo de diferentes perspectivas.

Leia também: Cursos online para atividades complementares.

Há aqueles que, por exemplo, quase sempre demonstram segurança e disposição para enfrentar qualquer desafio, ao passo que outros aparentam – ainda que tentem disfarçar – uma insatisfação constante e, de modo geral, encaram qualquer tarefa como se fosse um fardo.

É fácil imaginar que o primeiro grupo terá mais chances de alcançar seus objetivos na vida profissional, certo? Entretanto, para mim, o questionamento mais importante que se esconde nesse raciocínio é o seguinte: o que determina o comportamento de alguém diante de um obstáculo? E, indo mais além: é possível mudar a forma como encaramos nossos problemas? Neste artigo, tentarei chegar a essas respostas.

Definindo o sucesso

Mas não precisamos ter pressa. Antes de analisarmos os pontos acima, me parece importante definir o conceito de sucesso. Muitas pessoas associam o sucesso à popularidade. Essa perspectiva não está totalmente errada, mas é, no mínimo, incompleta. Ser bem-sucedido, ao meu ver, envolve o alcance de três estágios principais:

  • Satisfação com o que se faz;
  • Vontade de desenvolver-se constantemente; 

  • Capacidade de encarar problemas como fontes de aprendizado.

Estas características são importantes pois, na maioria dos casos, o reconhecimento externo não surgirá da noite para o dia e, este pequeno conjunto de habilidades emocionais lhe darão estrutura para lidar com diferentes situações, pessoas e desafios.

Crença no autodesenvolvimento x crença na permanência

Agora que já temos uma definição de sucesso, podemos passar a nossa primeira questão: O que determina o comportamento de alguém diante de um obstáculo? Para responder essa pergunta, quero desenvolver uma reflexão a partir dos estudos da professora do departamento de psicologia de Stanford, Carol Dweck, que teve seu livro, Mindset, recentemente analisado na Revista Exame.

Segundo a pesquisadora, o que diferencia nosso comportamento, ou melhor dizendo, nosso mindset – a forma como enxergamos e lidamos com uma determinada situação – é o conjunto de crenças que pode estar arraigada em nós desde a infância.

Graças a isso, há quem encare um problema como uma maneira de adquirir novos conhecimentos e experiências, e há quem se sinta um fracasso, alguém em completo estado de desmotivação diante de simples obstáculos.

No primeiro caso, temos aqueles que creem no autodesenvolvimento, no crescimento constante e que, por isso, encaram como bem-vindos os desafios da vida. Já no segundo caso, o que temos é a crença na permanência, no imutável. São aqueles que buscam ao máximo situações de segurança, pois, no fundo, se acham incapazes de lidar com novidades.

Esforço e experiência

O problema da acomodação

O grande risco de acreditar na permanência é a acomodação. Por mais que seja possível alcançar, por exemplo, uma posição de destaque em uma empresa, o mais provável é que tal profissional se acomode com fórmulas e processos já conhecidos de seu mindset, evitando uma busca genuína que, consequentemente, demanda esforço e vontade, por novos conhecimentos.

Levando em conta que vivemos em um mundo cada vez mais regido pela inovação, as chances desse profissional tornar-se obsoleto são muito expressivas.

Abraçando a mudança

A boa notícia é que, sim, é possível mudar a forma como encaramos nossos problemas. Tudo envolve um processo de alteração das crenças que formam nosso mindset. Como explica Carol Dweck “as características humanas não são simplesmente como cartas de baralho que você recebe e com as quais tem de conviver.”

É verdade, mudar crenças poderosas, fortemente enraizadas em nossa visão de mundo, não é algo simples. Será necessário, primeiramente, entender processos internos, abrir-se para o autoconhecimento e perceber que, afinal, você é capaz de se autodesenvolver, de aperfeiçoar-se constantemente. Se chegou ao fim deste artigo, certamente você já está caminhando nessa direção.

Bráulio Lalau é CEO na empresa Orbitall e carrega uma bagagem com mais de 20 anos de experiência em indústria de serviços e área de TI.

Fonte: Administradores.com

5 ingredientes que colaboram para o sucesso

Pare para pensar: de que adianta conquistar fama, dinheiro e não ter com quem compartilhar?

Erik Penna, Administradores.com, 

Ingredientes para o sucesso

iStock

Escuto quase todos os dias as pessoas dizendo: o ano está voando. A verdade é que já passamos da metade do ano e vale a pena fazer uma pausa para refletir sobre atitudes, escolhas e caminhos em busca de nossas realizações.

Veja também: Cursos online para atividades complementares.

Destaco abaixo 5 pontos que impactam diretamente nos resultados pessoais e profissionais

1) Metas claras

Certa vez o filósofo Sêneca disse: “Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir”. Ter uma meta clara e traçar um bom plano são essenciais para atingir um objetivo, afinal, uma meta sem um plano é apenas mera intenção. Coloque suas metas por escrito, compartilhe com as pessoas que você gosta e insira uma data para elas ocorrerem, pois isso também contribui e aumenta a chance de serem efetivadas.

2) Alianças

Procurar parceiros, mentores e pessoas para compartilhar sonhos costuma nos ajudar e dar forças para irmos além dos próprios limites. Pode ser com um colega de trabalho, amigo, esposa ou marido. A parceria que costuma dar certo é aquela que ocorre a relação ganha-ganha, uma ajuda mútua em prol do crescimento de ambos.

3) Sorte

É preciso contar com a sorte e ela é atraída quando empregamos a seguinte equação: Preparação + Disciplina + Oportunidade = Sorte.

Quando se busca uma qualificação constante, faz o que precisa ser feito e fica atento as oportunidades, o universo parece que conspira e a sorte sorri para você.

4) Social e espiritual

Não deixe de ajudar os indivíduos que mais carecem e se aproxime das pessoas que torcem verdadeiramente por você. Aliás, eu acredito que o grande amigo e parceiro não é aquele que chora com você na perda, mas sim, que sorri e se alegra com suas conquistas sem invejar.

Gosto muito de uma definição do Spencer Johnson: “É feliz quem valoriza o que tem. É infeliz que valoriza o que falta”. É pertinente praticar o pensamento do cardeal Shellman: “Reze como se tudo dependesse de Deus e trabalhe como se tudo dependesse de você”.

5) Foco

“Quem tem um ‘porquê’, enfrenta qualquer ‘como’.” (Viktor E. Frankl)

Já reparou como diversas pessoas começam buscando uma coisa e, de repente, já estão mirando outra e, em seguida, aparecem correndo atrás de outra ideia ou sonho? Onde está o foco?

Por finalizar esta reflexão, analise como as pessoas atrelam sucesso apenas a dinheiro, poder, realização profissional. Eu acredito que o verdadeiro sucesso mesmo é ser feliz e fazer os outros felizes.

Pare para pensar: de que adianta conquistar fama, dinheiro e não ter com quem compartilhar? Claro que isso é importante e deve ser almejado, mas o equilíbrio entre as áreas da vida é fundamental. Não há sucesso profissional que compense o fracasso pessoal. Aristóteles já disse: “A virtude está no meio”.

Eu acredito que o verdadeiro sucesso é ser feliz e fazer os outros felizes.

Erik Penna – Palestrante motivacional, especialista em vendas com qualificação internacional, consultor e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio”, “Atendimento Mágico – Como Encantar e Surpreender Clientes” e “O Dom de Motivar na Arte de Educar”. Saiba mais sobre motivação e vendas em: www.erikpenna.com.br.

26 visões inspiradoras para o sucesso

Frase #17: O esforço é um dos únicos fatores da vida que está puramente sob seu controle

Sucesso

iStock

1. Sua habilidade de vencer está diretamente relacionada à sua habilidade de resistir.

2. Inspiração é uma recompensa. Você tem que se esforçar para conseguir e batalhar para manter.

3. O oposto de sucesso não é o fracasso. É a apatia.

4. Você não precisa se preocupar em errar se você estiver disposto a continuar tentando.

5. Só porque as críticas falam mais alto que você, não significa que elas estão certas.

6. Você não está empacado. Você só não está fazendo as escolhas certas.

7. A maneira mais rápida de se machucar é olhar para trás quando se está correndo para frente.

8. Se você não for radicalmente diferente, você não é nem diferente.

9. O caminho para perceber seu potencial total passa pelo vale de contratempos.

10. O que funciona para outra pessoa quase que certamente não irá funcionar para você.

11. Não acredite em tudo que você escuta.

12. Se você não acredita em si, a opinião de ninguém será o suficiente para o manter motivado.

13. Não existe algo como a exaustão. Se houver combustível suficiente, o fogo sempre queimará.

14. Você não tem que estar “pronto para o trabalho” para terminar o trabalho.

15. Se você precisa reafirmar que você é a pessoa no comando, provavelmente você não é a pessoa no comando.

16. Até mesmo se a vida fosse mais fácil você não seria mais feliz.

17. O esforço é um dos únicos fatores da vida que está puramente sob seu controle.

18. Se você pensar que simplesmente não consegue cumprir algo, você provavelmente não irá.

19. Motivação é como oxigênio. Você só sabe que está faltando quando está ofegante.

20. A diferença entre vencer e perder está quando você para de tentar.

21. Gaste o tempo que você se preocupa com o que as outras pessoas pensam sobre você provando o contrário a elas.

22. Nada funciona melhor para manter você inspirado do que estar insatisfeito com onde você está na vida.

23. Mudar pode machucar agora, mas perder machuca para sempre.

24. Trabalhar duro é trabalhar de forma inteligente. Não há nada mais inteligente que você possa fazer.

25. Sucesso não tem a ver com os recursos que você tem, mas o quanto você é criativo.

26. A maior descoberta que você fará na sua vida é de que nada é impossível.

Fonte: administradores.com

O poder da autoestima para uma vida profissional de sucesso

Ter baixa autoestima é como dirigir pela vida com o freio de mão puxado, isto é, em estado de insegurança.

O poder da autoestima para uma vida profissional de sucesso

No decorrer da vida, encontramos muitas pessoas talentosas, profissionais excelentes, mas que se desvalorizam o tempo todo. Indivíduos que não conseguem perceber o próprio valor, que são muito críticos consigo mesmos, que se diminuem em relação aos outros e não conseguem defender suas opiniões.

Leia também: Você sabe qual a diferença entre autocontrole e autodomínio?

Ter baixa autoestima é como dirigir pela vida com o freio de mão puxado, isto é, em estado de insegurança. Essa é a sensação daqueles que não conseguem enxergar as suas qualidades e acabam boicotando sua evolução pessoal e profissional. Normalmente, eles se sentem impotentes, sem capacidade e possibilidades de ir além.

A autoestima nada mais é que a confiança em si mesmo. É construída ao longo dos anos e marcada já nas primeiras experiências de vida, pelo amor dos pais, pelo carinho da família, pela consideração das pessoas ao redor e também pelos feedbacks recebidos. Entretanto, ela também pode ser influenciada durante todo o curso da vida, pelas experiências posteriores, encontros, resultados (positivos ou negativos) e comportamentos.

Quando a confiança construída na infância é suficientemente forte, ela permite mais facilmente construir amizades, estabelecer relações afetivas equilibradas, fazer valer os próprios direitos, o respeito no trabalho e ter confiança nos objetivos e projetos. Caso esse pilar tenha sido fortalecido quando criança, as falhas ou os fracassos da vida adulta não terão um impacto tão grave para a pessoa ou, ao contrário, poderão até despertar o desejo de melhorar e a capacidade de se superar e fazer buscar os recursos internos para lidar com as dificuldades.

Já quando a autoestima é frágil, as eventuais críticas recebidas, os julgamentos negativos, as comparações e rejeições podem levar ao sentimento de medo do fracasso e de inadequação, além de gerar dúvidas, insegurança, medo, ansiedade social e profissional e dificuldades de relacionamento.

No momento em que a indivíduo se valoriza, reconhecendo as suas próprias qualidades, os outros passam a admirá-lo. Os líderes nas empresas e organizações sabem bem disso: a valorização ao profissional é um fator essencial, indispensável no ambiente de trabalho e nos relacionamentos interpessoais e de equipe. O reconhecimento ao outro é capaz de transformar o clima empresarial, pois, em um espaço em que as pessoas se sentem valorizadas, reinará sempre o prazer de trabalhar, produzir, pertencer, ter resultados e sucesso.

Agora que você já conhece a raiz da autoestima, solte o freio de mão e dirija em direção aos seus maiores sonhos, construindo sempre o futuro que você merece.

Eduardo ShinyashikiPalestrante, consultor organizacional, conferencista nacional e internacional e especialista em Desenvolvimento das Competências de Liderança aplicadas à Administração e Educação. Mestre em neuropsicologia, Eduardo é presidente do Instituto Eduardo Shinyashiki e também escritor e autor de importantes livros como “Transforme seus Sonhos em Vida”, sua publicação mais recente. www.edushin.com.br.

Fonte: administradores.com

10 hábitos de pessoas malsucedidas

Conheça esses sabotadores e descubra como eles afetam sua vida.

Sucesso profissional

O que são esses sabotadores? São pequenos hábitos que as pessoas nem percebem que fazem, mas que destroem carreiras, relacionamentos, negócios, a felicidade, o bem-estar e impedem que no fundo você seja bem sucedido naquilo a que se propõe.

Leia também:

11 hábitos das pessoas de muito sucesso para você adotar em 2016
Por que ainda não somos fluentes em inglês?
As vantagens de ser organizado

Aqui estão as 10 hábitos das pessoas sem sucesso:

Fazem as coisas por fazer

São pessoas que estão recorrentemente preocupadas, agitadas e atarefadas, o que fazem é sempre de extrema importância. Elas são como aquele jogador de futebol que corre sem objetivo pelo campo, sem pensar que, se tivesse uma noção clara do que fazer, poderia esforçar-se menos e obter melhores resultados.

Não terminam o que fazem

São pessoas que não completam o curso de inglês ou de música, o relatório que precisam preparar, a petição que tinha um prazo determinado, o projeto financeiro que deveriam entregar até ao final da semana, etc. Também pertencem a esse grupo os executivos que implementam com grande pompa e circunstância novos programas na empresa e não dão continuidade a eles. Iniciam tantas atividades ao mesmo tempo, todas com a mesma prioridade, que não têm fôlego para completar nenhuma delas.

Estão sempre começando algo

Como não completam os objetivos a que se propuseram, essas pessoas apegam-se à ilusão de que algo novo salvará as suas vidas: um novo projeto, um novo trabalho, um novo amor, um novo terapeuta, um novo estilo administrativo etc. Depois de algum tempo, a motivação desaparece como por artes mágicas e elas têm que esquematizar uma nova promessa de salvação para suas vidas.

Não planejam

Começam tudo por impulso, porque ficam fascinados à primeira vista, sem analisar as consequências. Quando surgem as dificuldades, correm em busca de soluções mágicas, o que só traz novos problemas.

Não realizam o que planejam

Estão constantemente tendo novas ideias, o que leva à modificação de todo o planejamento, desvalorizando o que havia sido combinado anteriormente. O seu método preferido é iniciar algo sempre que uma crise se instala. Ajudam a criá-las ao deixar de preveni-las; assim, sentem que têm algum controle sobre a sua vida, ficando esperançosas que ainda podem resolver a situação ou partir para outra.

Não têm noção de ritmo

Tendem a dedicar-se muito no inicio, com muita energia, e por vezes um pouco fora da realidade, mas aos poucos vão desanimando para mais tarde desistirem. São como aquelas pessoas que, ao começar um curso de piano, estudam 6 horas por dia, fazem aulas extras e compram todos os discos. Mas aos poucos vão perdendo o ímpeto até que, após alguns meses, chegam ao ponto de esquecer que têm um piano.

Procuram sempre soluções fantásticas

O sucesso é construído de hábitos que devem ser implementados diariamente, pouco a pouco e com a noção da capacidade que se tem. Por exemplo, em vez de se consciencializarem de que um corpo bonito e saudável é resultado de uma dieta adequada, acompanhada de exercícios físicos, essas pessoas acreditam sempre que existe algum tipo de regime fantástico que permite comer o que quiser e quanto quiser. Frequentemente, apresentam as soluções no último instante, quando não há mais tempo para implantá-las ou quando a sua implementação já não faz sentido.

Vivem no “quase”
Quase me formei, quase me casei, quase tive filhos. O “quase” mantém a ilusão de sucesso dessas pessoas, pelo fato de terem chegado perto do topo da montanha. Na verdade, elas procuram não se comprometer. Usam muito a palavra “talvez” e a expressão “pode ser”. Correm sempre “atrás” do futuro: gostaria, faria, levaria. Note que a percepção interior e o comprometimento de alguém que diz “vou a sua casa hoje às 9 horas” é muito diferente de uma pessoa que diz simplesmente “talvez eu apareça em sua casa”.

Não definem prioridades

O assistente vai à reunião de decisão sem o relatório. O Carpinteiro vai à casa do cliente tirar as medidas para a construção da mobília e não leva o instrumento de medida. Sai com a pessoa que pretende conquistar, sem cuidar da sua imagem e sem tomar banho. São os detalhes que fazem a diferença entre uma vitória e uma derrota.

Não mantém os compromissos

Como mudam de ideia com frequência, qualquer contratempo é motivo suficiente para não cumprir os acordos previamente estabelecidos. Como alguém que aceita o convite para o casamento do amigo e não aparece. Estabelece-se um padrão sabotador de si mesmo, perde-se a responsabilidade e a credibilidade.

O que e como mudar?

Talvez neste momento você esteja consciente de que têm alguns desses hábitos que sabotam o seu sucesso (na verdade, todos nós em algumas áreas da nossa vida cometemos alguns destes comportamentos inadequados).  A partir de agora observe esse hábito cada vez que ele surgir analise as consequências negativas para a sua vida e comece a desenvolver novos hábitos.

Como resolver?

É necessário se esforçar para identificar os conflitos internos que você possui, e impedem a conquista dos resultados pretendidos. Foque-se nas ações que lhe permitem atingir a meta. Para se aprofundar neste assunto, baixe o e-book grátis “Os 5 Pilares Para Mudar sua Vida de Verdade”,clicando aqui. Não se trata de estabelecer um sistema rígido, em que completar o que começou seja uma obrigação, sem permissão para ser prazeroso ou sem flexibilidade para mudanças, mas sim de aprender a decidir e a realizar o que é importante na vida, sem adiar nem procurar justificativas antecipadas. Acredite em si, leve as coisas até ao fim. Tudo está na mente. É onde tudo começa. Saber o que você quer é o primeiro passo na direção de conseguir.

Comente e compartilhe.

Um forte abraço!

Murilo Manzano é Administrador de empresas, MBA Executivo em Gestão Estratégica de Pessoas, Executive e Leader Coach, especialista em PNL, Reprogramação Mental e Física Quântica. Sócio-administrador da Skill Aprimoramento Humano, idealizador do Programa Criando Sucesso (produto digital para transformação pessoal e profissional).

Fonte: administradores.com